OPINIÃO – Aguirre foi o culpado pela perda do Mineiro?

Aguirre, técnico do Atlético-MG
Crédito da foto: Bruno Cantini/CAM

No futebol brasileiro buscamos, dia após dia, individualizar os erros e fazer um verdadeiro “caça as bruxas”. Procuramos achar culpados para que nas partidas subsequentes possamos cobrar ou até mesmo vaiar tal profissional.

LEIA MAIS:
EM 2016, ATLÉTICO-MG AINDA NÃO GANHOU DE NENHUM TIME DA PRIMEIRA DIVISÃO BRASILEIRA
APÓS VICE CAMPEONATO, TORCIDA DO ATLÉTICO-MG PROTESTA CONTRA AGUIRRE

A situação no Atlético-MG não é diferente. Em todas as derrotas do clube no ano o treinador Diego Aguirre foi bastante criticado pela torcida. Em alguns jogos foi chamado de burro, em outros foi vaiado antes mesmo da bola rolar.

Mas vamos ao jogo contra o América. O Atlético fez uma de suas melhores partidas no ano, tendo a posse bole, com boa saída e mostrando bastante volume de jogo.

OPINIÃO - Aguirre foi o culpado pela perda do Mineiro?
No primeiro tempo, Atlético quase jogou num 4-3-3. Criação: LineApp11

Aguirre, como já é de costume, surpreendeu na escalação do Atlético. O treinador sacou Leonardo Silva, Donizete e Robinho do time titular. Tiago, Carlos César e Hyuri foram titulares. O treinador também experimentou Marcos Rocha no meio.

Mas apesar da pressão que o Atlético fez sobre o América, o time alvinegro ficou torto na primeira etapa. O Galo muito atacou pela direita com Rocha e Carlos César e pouco avançou pela esquerda. Isso aconteceu porque Hyuri é um atleta que centraliza o jogo, diferente de Marcos Rocha.

O Atlético, ainda no primeiro tempo, perdeu Carlos contundido e minutos depois perdeu Tiago expulso. Dois problemas que Aguirre precisou resolver.

OPINIÃO - Aguirre foi o culpado pela perda do Mineiro?
Com um a menos, Atlético dominou o jogo e alternou bons ataques pela direita e esquerda. Criação: LineApp11

O Atlético voltou para o segundo tempo com Clayton e Robinho, nos lugares de Carlos e Hyuri respectivamente. Aguirre colocou Carlos César na zaga e recuou Marcos Rocha para a lateral direita.

Com as mudanças, o Atletico dominou o América por quase todo o segundo tempo. O gol de Clayton saiu após bela jogada de Robinho e Pratto. E o Atlético poderia ter feito mais gols. Durante quase toda etapa final, parecia o Atlético jogar com 11 e o América estar com 10, de tamanho domínio que o Galo exercia na partida.

O Atlético ainda precisou fazer mais uma substituição por lesão. Carlos César, que fazia ótima partida, deu lugar a Edcarlos. O América teve o zagueiro Álison expulso. Enquanto se pensava que o Galo teria ainda mais domínio veio o balde de água gelada. Borges antecipou a zaga e escorou para Danilo, a estrela das finais, marcar o empate americano. Após o gol do Coelho, o Atlético ainda teve 3 chances de fazer o gol do título, mas desperdiçou.

A conclusão que se tira é que o Aguirre conseguiu surpreender e o time reagiu bem às mudanças de seu treinador. O Atlético teve erros pontuais, principalmente na primeira etapa, mas no segundo tempo, com um a menos, o Galo dominou a partida.