Hamilton vence GP de Mônaco de F1 após erro da Red Bull

Hamilton foi pressionado por Ricciardo ao longo da segunda metade da corrida, mas venceu o GP de Mônaco. (Foto: Getty Images)

Lewis Hamilton venceu na manhã deste domingo (29) o confuso e animado Grande Prêmio de Mônaco, sexta etapa da temporada 2016 da Fórmula 1. Com uma estratégia de uma parada e um erro de Daniel Ricciardo, o inglês conseguiu sua primeira vitória no ano, e a segunda no circuito montado nas ruas de Monte Carlo, que viu a pista molhada no início da corrida, mas terminou com asfalto seco.

A segunda colocação ficou com Ricciardo, que largou da pole position e liderou boa parte da corrida, mas viu a Red Bull cometer um erro na parada nos boxes para colocação dos pneus supermacios, o que custou a vitória. O pódio ainda contou com um surpreendente terceiro lugar com a Force India.

Sebastian Vettel terminou com a quarta colocação com a Ferrari, seguido por Fernando Alonso, piloto da McLaren. Nico Rosberg, da Mercedes, ficou apenas com a sexta colocação, enquanto Nico Hülkenberg, com a outra Force India, foi o sétimo. O grupo dos dez melhores ainda contou com Carlos Sainz, Jenson Button e Felipe Massa. Felipe Nasr abandonou a prova após um acidente com Marcus Ericsson.

A próxima etapa da Fórmula 1 acontece no dia 5 de junho, com a realização do Grande Prêmio do Canadá, no circuito Gilles Villeneuve, em Montreal.

Confira como foi o GP de Mônaco

Por conta da chuva, a direção de prova acionou a largada com o Safety Car à frente do pelotão. Daniil Kvyat teve um problema e foi aos boxes para trocar o volante. A bandeira verde foi acionada apenas na oitava volta, com Ricciardo mantendo a liderança da corrida, mas logo o Safaty Car Virtual (VSC, na sigla em inglês) precisou ser acionado por conta de uma batida de Jolyon Palmer.

Felipe Nasr foi o primeiro a arriscar trocar os pneus de chuva pelos intermediários, isso na nona volta. A corrida foi retomada no final da décima volta, e a corrida logo viu Kimi Räikkönen bater e atrapalhar a corrida de Romain Grosjean, que acabou fechado pelo finlandês, que ficou com a asa dianteira presa no carro.

O primeiro entre os ponteiros a fazer a troca de pneus foi Vettel, na 14ª volta. Dois giros depois, Hamilton superou Rosberg para assumir a segunda colocação. Mais atrás, Vettel ficou preso atrás de Massa, que vinha com pneus de chuva, e perdeu contato com os líderes da corrida. Na 21ª passagem, Rosberg colocou pneus intermediários, atitude seguida por Ricciardo na 23ª volta.

Hamilton assumiu a liderança, mas viu Ricciardo se aproximar rapidamente, sem conseguir um ataque. Na 31ª volta, Marcus Ericsson foi aos boxes e colocou pneus macios, andando mais rápido em relação aos rivais. Desta forma, a atitude foi copiada pelo inglês da Mercedes no giro seguinte, e pelo australiano da Red Bull, que viu a equipe se atrapalhar e dar a primeira posição ao tricampeão.

Magnussen acertou o muro na 33ª volta, mas seguiu na corrida. Pouco depois, Max Verstappen bateu, forcou o acionamento do VSC, e abandonou a disputa. A prova foi retomada na 37ª volta, com Ricciardo pressionando Hamilton, sem conseguir a ultrapassagem. Quem passou a se aproximar foi Sergio Pérez, vindo numa surpreendente terceira posição com a Force India.

No pelotão de trás, Nasr ignorou uma ordem da Sauber para trocar posição com Ericsson. Na 50ª passagem o finlandês tentou a ultrapassagem, e os dois bateram, abandonando a corrida. O incidente provocou mais um VSC, mas a bandeira verde foi acionada rapidamente. Algumas voltas mais tarde, Gutiérrez acertou o muro.

Por conta de um detrito na pista, o VSC foi acionado mais uma vez, mas a corrida rapidamente teve a bandeira verde retomada. Hamilton conseguiu se distanciar de Ricciardo e seguiu para vencer em Mônaco, algo que não acontecia desde 2008. O australiano da Red Bull foi o segundo, enquanto Pérez completou em terceiro.



Jornalista com passagens pelas revistas Racing e House Mag.