Eurocopa 2016: Cinco jogadores para ficar de olho durante o torneio

Reprodução/Facebook Oficial da Euro-2016

De um versátil polonês cheio de habilidade para um atacante português vice campeão da liga portuguesa com o Sporting Lisboa. Aqui estão cinco jogadores para ficar de olho na Euro 2016.

LEIA MAIS:
VEJA COMO ZIDANE PODE QUEBRAR A TÁTICA DE SIMEONE E SER CAMPEÃO DA CHAMPIONS
INGLATERRA X AUSTRÁLIA: SAIBA COMO ASSISTIR AO VIVO NA TV

João Mário (Portugal)

Para aqueles que seguem o futebol português, João Mário não é novidade. O atacante foi um dos melhores jogadores da liga portuguesa na temporada 2015/2016 e recentemente tem seu nome muito falado nos bastidores do Manchester United e também do PSG, que teria oferecido 35 milhões de euros, prontamente recusado pelo presidente do Sporting. Agora, há pouca dúvida de que o talentoso e versátil atacante está destinado a brilhar em um campeonato maior visibilidade. Desde que Fernando Santos assumiu a seleção portuguesa, João Mário tem sido regularmente escalado no time titular de Portugal, também impressionando a todos no papel de organizar o jogo ou como ala.

Arkadiusz Milik (Polônia)

Você sabia que o Ajax terá apenas um jogador no Euro 2016? É estranho – e para um clube de sua reputação, triste – mas é verdade. O cara é Arkadiusz Milik, um dos mais promissores atacantes da Europa no momento. Na janela de inverno da temporada 2012/2013, Bayer Leverkusen assina com o Górnik Zabrze, então time do polonês, inspirado pelo sucesso do Borussia Dortmund com o seu compatriota, Robert Lewandowski. No entanto, a adaptação de Milik não correu como planejada e o Ajax – que monitorava o jovem desde seus primeiros passos na liga polonesa – assinou com o atacante em 2014. Desde que pisou em Amsterdam, tudo mudou drasticamente para ele, e com 47 gols em 76 partidas em seu clube, parece pronto para estabelecer-se como parte de uma das mais mortíferas duplas de ataque na Eurocopa, ao lado de Lewandowski.

Vrsaljko Šime (Croácia)

A julgar pela última década, grandes zagueiros são uma espécie em extinção no futebol. Assim, toda vez que alguém encontra um bom, deveria ser manobrado cuidadosamente, para então poder se tornar um jogador melhor. É exatamente a cautela que tiveram com Šime Vrsaljko, que é ainda outro grande produto do Dínamo de Zagreb – uma das melhores categorias de base da Europa – e que atualmente joga pelo Sassuolo-ITA. Depois de ganhar quatro títulos consecutivos em Zagreb, o croata atravessou o mar Adriático para brilhar na Serie A, ajudando o Sassuolo a alcançar a inédita classificação para a Europa League. Vrsaljko tem sido nome frequente nas pautas de Manchester United, Manchester City, Juventus e Napoli. E é versátil o suficiente para jogar à direita ou à esquerda que certamente será um nome para se acompanhar na França.

John Guidetti (Suécia)

John Guidetti tem lidado com altas expectativas desde que era um adolescente. ‘Aqui está outro Zlatan Ibrahimovic’, provavelmente essa é a principal frase que John Guidetti tem escutado desde que seu nome está no mundo do futebol. Quando tinha 16 anos, o poderoso Manchester City assinou contrato com o sueco, mas nunca chegou a atuar pelos Citizens. Foi no Feyenoord, em 2012, que Guidetti mostrou seu potencial, não só marcou 20 gols em 23 jogos, mas também fornecendo várias assistências durante a temporada. Guidetti não é nenhum Zlatan, mas tem um grande espírito coletivo e já tem experiência suficiente para ajudar seu país a vencer em uma competição importante.

Balázs Dzsudzsák (Hungria)

Em torneios como a Eurocopa, nem todas as surpresas são os jogadores mais jovens. A Hungria está em uma grande competição internacional pela primeira vez desde a Copa do mundo de 1986 no México, e este é o momento perfeito para os 29 anos de Balázs Dzsudzsák entrarem em ação para a história de seu país. O atacante tem lidado com a maior perspectiva húngara há tempos, e apesar de algumas boas temporadas para o PSV, Dzsudzsák não conseguiu chegar ao nível que todos esperavam. Seu futebol na Rússia, primeiro com o Anzhi Makhachkala, e em seguida no Dínamo Moscou pode ter assegurado seu conforto financeiro, mas isso também o ajudou a se tornar  melhor do que esperávamos que ele pudesse de tornar. Agora é o momento para ele subir de vez e ajudar os húngaros brilharem no campeonato.



Jornalista em formação pela Universidade Anhembi Morumbi, aficionado por futebol e que, segundo fontes, escolheu o jornalismo após a final do Campeonato Paulista de 1999. No torcedores.com, busca retratar o futebol europeu na visão de um antigo morador da Inglaterra, mas nunca deixando a essência do futebol tupiniquim de lado.