Especial: Mãe e atleta, Luana de Almeida brilha no Corinthians Steamrollers

Crédito da Foto: Arquivo Pessoal

Ser mãe não é fácil. São inúmeras responsabilidades que a mulher carrega por toda a vida. Imagine então uma pessoa que divide sua rotina em ser mãe e atleta? São funções totalmente diferentes, mas ambas exigem intenso esforço, dedicação e muito amor. Nesta semana, o Torcedores.com preparou um especial em homenagem ao dia das mães. Batemos um papo com Luana de Almeida, jogadora do Corinthians Steamrollers, equipe de futebol americano do Timão.

 

LEIA MAIS:

 

Especial: Mãe e atleta, Tandara brilha no volei

 

 

Fundado em 2008, após parceria entre Sport Club Corinthians Paulista e a Associação Esportiva Steamrollers, que havia surgido em 2004, o Corinthians Steamrollers iniciou suas atividades com o time masculino.

Entre os títulos estão um Tetracampeonato Paulista, dois Torneios Touchdown e um Sul Americano.

Com o crescimento da modalidade no Brasil, o clube passou a investir também na equipe feminina, criada em 2015, que disputa duas modalidades, a Full Pads e Flags.

Como toda mulher, Luana de Almeida tira de letra a rotina que escolheu. Além de cuidar de seu bebê Kevin, de três meses, ela trabalha como recepcionista de uma empresa de segurança e ainda treina aos finais de semana.

A modalidade feminina é amadora e muitas atletas que querem atuar no esporte precisam do incentivo de equipes como o Corinthians, que estão colaborando com o crecimento do esporte americano no país.

“Não recebemos salários, jogamos por amor, mas o Corinthians Steamrollers nos oferece toda a estrutura necessária. Os equipamentos são caros, nem todas as atletas podem comprar e aqui eles nos dão tudo”, disse Luana.

Para se ter ideia, o protetor de ombros custa em torno de R$ 1000, o capacete R$ 800 e a calça de proteção, em média R$ 180.

Há quatro anos, Luana pratica o futebol americano. Já passou pelo Palmeiras Locomotives, São Paulo Saints, Cougars e faz um ano que chegou ao Corinthians.

A atleta contou que procura se empenhar ao máximo quando está treinando com a equipe pois a rotina corrida, a impede de se dedicar da forma que gostaria.

Formada em educação física, Luana estuda bastante sobre a modalidade pela internet, principalmente sobre sua posição, linebacker que atua na defesa, responsável por parar jogadas que utilizam corridas e passes curtos.

Para não perder nenhum fim de semana de treino, a jogadora precisa levar seu filho junto e conta com a ajuda de seu marido Jefferson Cardoso, que também joga na equipe masculina dos Steamrollers.

Luana ainda está se adaptando à nova vida e entre tantos desafios, busca dar seu melhor ao filho, sem deixar sua carreira no esporte de lado.

 

Crédito da Foto: Arquivo Pessoal
Crédito da Foto: Arquivo Pessoal

 

“Está sendo tudo muito novo e difícil, mas tenho muita ajuda da minha família. Ser mãe é maravilhoso, um sentimento único. Uma mãe pode ser uma boa atleta, porque assim como ela se doa em casa, também pode se dedicar ao esporte”, explicou.

Segundo a jogadora, assim como ser mãe, o esporte também a faz sentir-se realizada, tendo o privilégio de ter uma família em casa e outra nos campos.
“Escolhi esse esporte porque tem espaço para todas, magras, gordas, baixa, alta. Basta ter força de vontade. Trocamos aquele final de semana na praia, para estar ali, ao lado de cada companheira de equipe. Todas as minhas conquistas eu dedico ao meu filho”, concluiu.
Crédito da Foto: Arquivo Pessoal
Crédito da Foto: Arquivo Pessoal