15 melhores finais da Liga dos Campeões: Barcelona x Arsenal (2005/06)

Liga dos campeões 2005-06
Crédito da Foto: Divulgação/Site Oficial da UEFA

Em 2006, há exatamente dez anos, por volta das 15h45m no horário de Brasília, no Stade de France (20h45m no horário local), aconteceu uma das partidas mais espetaculares da história do futebol mundial. A final da Liga dos Campeões da Europa entre Barcelona e Arsenal, e estaremos relembrando toda a emoção que aquela partida nos proporcionou às vésperas de mais uma decisão.

LEIA MAIS:
6 Lições que o Palmeiras tirou do jogo contra o Fluminense
MERCADO DA BOLA 2016: Esse time se daria bem na SÉRIE A?
MERCADO DA BOLA: Van Gaal fala após demissão do Manchester United

Para preparar este texto, tive que me preparar, e o maravilhoso foi conseguir assistir essa partida novamente, dessa vez pela Internet e conseguir sentir toda aquela emoção que estava armazenada em algum lugar do meu coração. Tinha meus 17 anos, um garoto ainda, que gostava de futebol e tinha escolhido seu time, o Barcelona dos badalados Ronaldinho Gaúcho e Samuel Eto’o, não tinha ideia de quem venceria aquela partida, mas já sabia que não podia perder por nada.

Talvez tenha chegado a essa conclusão por olhar para a escalação dos clubes, que conhecia por jogar bastante videogame com essas equipes. Barcelona e Arsenal não chegaram a essa decisão de Liga dos Campeões por acaso, eram na época, membros do grupo de melhores equipes da Europa e tinham em seu plantel jogadores que eram verdadeiros astros.

O Barcelona não tinha Messi ainda, porém Ronaldinho Gaúcho, vivendo sua melhor fase em campo, tinha toda a genialidade que a equipe precisava, mas não era só, tinham outros gênios, jogadores que podiam decidir a qualquer momento, que era o caso do talentoso meia brasileiro naturalizado português Deco, o atacante Ludovic Giuly que estava em plena forma aos seus 29 anos de idade e Samuel Eto’o, atacante camaronês que estava no seu auge e era uma verdadeira máquina de fazer gols. O time espanhol ainda contava com uma defesa praticamente impenetrável que contava com o mexicano Rafael Márquez e o espanhol Carles Puyol. O gol defendido pelo jovem goleiro de 24 anos, Victor Valdés.

Do lado inglês, o Arsenal era outra máquina de perfeitas engrenagens. O clube, no qual tinha a base campeã da última conquista do Campeonato Inglês (2003/04) do time de Londres. Entre os jogadores do plantes estava um dos melhores jogadores que vi jogar, no caso o francês Thierry Henry. Um maestro com a bola nos pés, Henry lidera a equipe para o sucesso e apresentava seu melhor futebol, com ele estava Ljumberg, talentoso meio campista sueco. A equipe contava também com Cesc Fàbregas com apenas 19 anos de idade. E se você achou a zaga do Barcelona dura, imagina uma zaga montada por Campbell e Kolo Touré.

A concorrência por uma vaga no time titular dessas equipes era muito forte, só pra deixar você em êxtase, nos bancos dessa partida tinham jogadores como Andrés Iniesta (com 22 anos), Van Persie (também com 22), além dos experientes Larsson e Bergkamp.

Leia o que aconteceu na Final da Champions League (VALE A PENA)

No inicio da partida o Arsenal começou pressionando mais, o atacante Henry estava com fome de gol e já procurou finalizar logo nos primeiros minutos, a equipe do Barcelona começou a aparecer mais na partida a partir dos dez minutos de jogo, quando começou a aparecer mais no ataque, finalizando com Giuly, Eto’o muito marcado tentava dar opção para Ronaldinho. O jogo começou a ficar mais pegado e bem mais nivelado, quando aos 18′ Eto’o aparece na cara do gol do Arsenal e o goleiro da equipe inglesa comete a falta na entrada da área, Lehmann é expulso e deixa os Gunners com um a menos, o meio campista Pìres é sacrificado para a entrada do goleiro Almunia. Com um a mais o Barcelona começa a aparecer mais no jogo e ditar o ritmo da partida, Ronaldinho começa a aparecer ainda mais, fazendo com que a equipe do Arsenal passe por situação complicada na partida. Porém aos 37′ o zagueiro do Barcelona Puyol comete uma falta perigosa dando chance ao Arsenal de cruzar a bola na área. Henry cobra a falta e no meio da defesa do Barça aparece o zagueiro do Arsenal Sol Campbell para cabecear e abrir o marcador da partida. Com um gol no placar a equipe do Arsenal se fecha e aposta nos contra-ataques com Henry, o Barcelona vai com força pra cima e cria algumas oportunidades, mas sem êxito, nos contra-ataques o Arsenal também chega com perigo, mas o primeiro tempo termina mesmo em 1×0.

Se no primeiro tempo já tiveram tantas emoções fortes para ambos os lados, a segunda etapa conseguiu superar.

Frank Rijkaard, técnico da equipe espanhola, tendo o resultado contra resolve mudar ainda aos 46′, e coloca o jovem Andrés Iniesta no lugar do brasileiro Edmílson. O jogo começa quente, algumas faltas acontecem, assim como oportunidades. O Barcelona continua tentando chegar ao seu gol, enquanto a equipe inglesa se defende bem e continua atacando perigosamente. Os minutos vão passando e a torcida de ambas as equipes vão ficando cada vez mais apreensivas, Wenger, técnico do Arsenal, vê o time se defendendo e chegando perto do inédito título, porém do outro lado Rijkaard faz mais uma alteração e aos 61′ saca o volante Van Bommel para entrada do experiente atacante Larsson. Daquele momento pra frente o Barça deixou claro sua intenção e partiu pra cima do Arsenal com tudo. O Arsenal com mais espaço consegue chegar mais fácil na área de Valdés e obriga o goleiro Culé a salvar a equipe. O lateral brasileiro Belleti entra no lugar de Oleguer, mais ofensivo o brasileiro começa a explorar o lado esquerdo da defesa do Arsenal. Mais uma troca, dessa vez do lado inglês, sai Fàbregas e entra Flamini como meia para reforçar a marcação. Aí depois de tanto tentar o Barcelona chega ao seu gol aos 76‘, após passe de Larsson, ídolo da torcida Culé, Samuel Eto’o não desperdiça e abre o contador do Barcelona, temos 1×1 no placar e muita emoção reservada para o final, tendo em vista que o Barça ainda conta com um jogador a mais. Cinco minutos depois aos 81′ aparece o herói da partida, Belleti marca o segundo da equipe espanhola e vira o placar no Stade de France, após receber um passe de Larsson, mais uma vez o atacante sueco da a assistência na partida e deixa o companheiro livre pra marcar. Sobrava apenas uma carta na manga do técnico Wenger, sai Hleb e entra Reys aos 85′, o Arsenal vai pra cima para tentar pelo menos levar o jogo para a prorrogação. Porém o jogo chega ao fim e o título da Liga dos Campeões vai para Barcelona, na Espanha.

Todos os dados sobre essa edição da Liga dos Campeões foram retirados do Site Oficial da Uefa

Siga o autor no Twitter: @RRMagalhaes
CLIQUE PARA MAIS MATÉRIAS DE RENATO MAGALHÃES



Analista de Tecnologia da Informação e fascinado por futebol de qualidade, amo meu Palmeiras, e torço pela evolução do futebol brasileiro.