De 1 a 11: O melhor Palmeiras que eu vi jogar

Palmeiras
Reprodução / Site oficial do Palmeiras

Nasci em 1997 e os palmeirenses que nasceram no final do século XX, assim como eu, ficaram acostumados a ver muitos jogadores fracos com a camisa do Palmeiras. Apesar dos vários “perebas” que vestiram o manto alviverde, alguns atletas tiveram passagens que marcaram os palmeirenses da minha geração.

LEIA MAIS:
VÍDEO: TORCEDORES DO PALMEIRAS CRIAM MÚSICA EM HOMENAGEM AO CLUBE

Por ter nascido em 1997, poucos times do Palmeiras me fizeram ter a oportunidade de comemorar algum título ou de celebrar grandes vitórias. Pensando nisso, o melhor Palmeiras que vi jogar tem uma base dos elencos de 2008, quando o Verdão ganhou o Paulistão e 2009, quando o Alviverde liderou o Brasileirão por muitas rodadas mas perdeu o fôlego no final e ficou inclusive sem a vaga na Libertadores do ano seguinte.

GOLEIRO:

Marcos: Maior ídolo da história do Palmeiras. “São Marcos” salvou muitas vezes o Verdão de situações complicadas e apesar de sofrer com muitas lesões durante a carreira, sempre estava presente quando o Palmeiras precisava dele, como nas quartas-de-final da Libertadores de 2009, quando ele “fechou o gol” no tempo normal e classificou o time nos pênaltis, defendendo três cobranças do Sport Recife.

LATERAL DIREITO:

Lucas: Apesar de uma curta passagem pelo clube, Lucas foi um importante jogador do Palmeiras na temporada de 2015 e mostrou ser um jogador muito eficiente nos primeiros meses no clube. Apesar de cair muito de rendimento em 2016, Lucas provou que é um bom lateral e que foi um dos melhores laterais que vestiram a camisa palmeirense nos anos 2000.

ZAGUEIROS:

Henrique: Com duas passagens vitoriosas pelo clube (Paulistão em 2008 e Copa do Brasil em 2012), Henrique sempre foi um zagueiro que honrou a camisa quando estava em campo e foi peça principal no quebra-cabeça montado por Felipão na conquista da Copa do Brasil, quando o zagueiro atuou como volante.

Danilo: Fez parte do elenco de 2009 e foi um zagueiro com muito vigor físico, muitas vezes fazendo faltas e ganhando cartões excessivos. Esse vigor e o bom jogo aéreo ofensivo de Danilo fez o jogador cair nas graças dos torcedores palmeirenses, muitos ainda pedindo a volta do jogador.

LATERAL ESQUERDO:

Armero: O colombiano veio como “desconhecido” e marcava presença no ataque, com muito vigor físico. Está na memória do palmeirense principalmente por conta da sua dança, o “Armeration”, quando o Palmeiras venceu o Santos na Vila Belmiro, por 4 a 3.

VOLANTES:

Pierre: Um verdadeiro cão de guarda. Chegou do Paraná Clube e apesar da pouca qualidade técnica, logo ganhou a exigente torcida palmeirense por conta dos grandes desarmes e por nunca desistir de nenhuma bola. Sem dúvidas é o melhor volante que vi no Palmeiras e, apesar de não ser um ídolo, merecia uma despedida mais justa do Palmeiras, pois foi usado como moeda de troca para a chegada de Daniel Carvalho, do Atlético Mineiro. O tempo mostrou quem se deu melhor na troca…

Marcos Assunção: O melhor batedor de faltas que vi jogar no Palmeiras. O apelido de “Marcos Perfeição” não era exagero quando se tratava das bolas paradas do volante. Foi o capitão da conquista do bicampeonato da Copa do Brasil de 2012 e infelizmente saiu do clube pela porta dos fundos.

MEIAS:

Cleiton Xavier: O meia veio do Figueirense e não demorou para ganhar a admiração dos palmeirenses, que aplaudiram o jogador na sua volta ao clube e que guardam na memória até hoje o gol antológico marcado pelo meia na Libertadores de 2009, contra o Colo-Colo, no Chile, classificando o Verdão para as oitavas-de-final da competição.

Valdívia: O melhor meia que eu vi jogar com a camisa do Palmeiras. Amado por uns e odiado por outros, estou no grupo dos que gostam do “Mago”. Conquistou a torcida na sua primeira passagem com suas atuações brilhantes e provocações contra os rivais. A segunda passagem do chileno não foi nem sombra da primeira, o que causou muita ira em alguns palmeirenses, mas sempre que estava em campo fazia a diferença para o Verdão.

ATACANTES:

Edmundo: Apesar de ver o “Animal” próximo do fim da carreira com a camisa do Verdão, a qualidade com a bola no pé era incrível e a entrega com a camisa alviverde sempre foi ao nível máximo. Um dos maiores ídolos da história do Palmeiras, Edmundo resolveu muitos jogos para o Verdão e até hoje é reverenciado pelos palmeirenses.

Kléber: Apelidado de “Gladiador”, o atacante fazia jus ao apelido. Sempre foi um guerreiro no campo e fazia de tudo para o Palmeiras sair vitorioso. Muitas vezes a raça do jogador passava dos limites e era confundida com maldade por muitos. Devido ao temperamento difícil saiu do Verdão pelas portas do fundo, pois “bateu de frente” com o então técnico Felipão e com alguns torcedores.

TÉCNICO:

Vanderlei Luxemburgo: Um dos maiores treinadores da história do Palmeiras, teve sua última passagem pelo clube em 2009, quando foi demitido por ser contrário a saída do atacante Keirrison, que negociava com o Barcelona. Sempre foi ofensivo no comando alviverde e, se fosse mantido no cargo, tinha grandes chances de ganhar o Brasileirão daquele ano na minha opinião.



Estudante de jornalismo da Universidade Metodista de São Paulo e estagiário do Torcedores.com.