De 1 a 11: O melhor Milan que vi jogar

(Alessandro Garofalo/Reuters/VEJA)

Infelizmente nasci em 1990 e não pude acompanhar  o grande time dos anos 90 que foi campeão invicto da Liga dos Campeões da UEFA (1993-1994), Campeão da Supercopa da UEFA (1994), Tricampeão Italiano (1991-1992 invicto, 1992-1993 e 1993-1994) e Tricampeão da Supercopa da Itália (1992, 1993 e 1994).

LEIA MAIS:DE 1 A 11: O MELHOR REAL MADRID QUE VI JOGAR

DE 1 A 11: O MELHOR SÃO PAULO QUE VI JOGAR

A minha história com o Milan começou em 2003, quando o jovem Kaká se transfere para Milão e começa uma incrível trajetória com a camisa rubro-negro. Desde então, sempre torci e acompanhei o Rossonero e vi atletas que honraram a camisa do clube e outros que foram apenas por dinheiro. Também vi muitos brasileiros brilharem nesse período, enquanto algumas estrelas do futebol mundial afundaram com a mesma camisa.

Vou eleger meus onze melhores com a camisa do Milan:

Goleiro: O torcedor milanista sente saudades da frieza de Dida. O goleiro brasileiro teve uma bela com a camisa do Milan e conquistou duas Champions League.

Lateral-direito: Cafú, capitão da seleção brasileira em 2002, o lateral encerrou sua carreira com a camisa rubro-negra.

Zagueiros: Nesta e Maldini formaram por muito tempo a melhor dupla de zaga da Itália e da Europa.

Lateral-esquerdo: Tecnicamente não foi o melhor da história do Milan, mas Jankulovski sempre deu o sangue! Baita de um jogador!

Volantes: Um trio de volantes, esse era o Milan de Ancelotti. Pirlo, Gattuso e Seedorf formavam um tridente espetacular. Técnica, raça e precisão não faltavam para eles.

Meia-armador: Kaká para mim foi o percursor da minha paixão pelo Milan. Jogador versátil, que armava as jogadas para os companheiros ou sempre estava no momento certo para finalizar para o gol.

Atacantes: Shevchenko e Ibrahimović não atuaram juntos pelo Rossonero, mas são lembrados até hoje pela torcida. Técnica e faro de gol, eram os diferenciais desses dois monstros do futebol mundial.