Cuca explica como irá trabalhar o Palmeiras se não chegar outro meia; veja análise

César Greco/Ag. Palmeiras

Na última quinta-feira, o presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, negou que vá aumentar sua folha salarial para o restante da temporada e, assim, as chances de contratar mais reforços para o Campeonato Brasileiro diminuíram bastante. Ainda assim, o dirigente insiste em lembrar de que “o clube está de olho no mercado em caso de bom negócio”, mas o técnico Cuca já vem trabalhando nos treinos com o que tem atualmente no elenco.

LEIA TAMBÉM:
Neto reconhece Palmeiras como campeão mundial de 1951: “tem que parar de ser clubista”
Cuca revela episódio marcante (e dolorido) como jogador do Palmeiras; confira

A principal carência, ainda de acordo com a maioria da torcida alviverde, é o setor de armação. Depois das saídas de Fellype Gabriel e Robinho, e a possível negociação de Régis para o Bahia, Cuca tem à sua disposição Cleiton Xavier, Zé Roberto, o recém-chegado Fabrício e o jovem Vitinho, que foi promovido das categorias de base. Destaque do Audax, Tchê Tchê chegará ao clube após o Paulistão, enquanto que Allione e Moisés se recuperam de cirurgias.

Cleiton Xavier é a grande aposta de Paulo Nobre e de Cuca na armação do Palmeiras. Foto: César Greco
Cleiton Xavier é a grande aposta de Paulo Nobre e de Cuca na armação do Palmeiras. Foto: César Greco

Assim como Paulo Nobre afirmou no começo do ano, Cuca também aposta no desempenho de Cleiton Xavier. O camisa 10 ficou muito tempo parado se recuperando de lesões musculares e retornou nos jogos decisivos de Libertadores e Campeonato Paulista, em que se destacou com assistências aos companheiros.

Para o treinador do Palmeiras, CX10 é um armador diferenciado no Brasil, em que se destaca pela questão técnica. Mas e se Cleiton voltar a se lesionar? O Palmeiras precisa de outro meia? Cuca respondeu em entrevista ao jornal Lance!.

“Depende. Você tem o Dudu no elenco, que pode fazer essa função. Você pode jogar com duas linhas de quatro, com dois meias e dois atacantes, em que praticamente esse meia vira um segundo volante, e o Allione pode fazer isso, o próprio Fabrício, que veio na condição de ser um volante, lateral, meia. Acho que estamos bem servidos”, analisou Cuca.

E SE NÃO CHEGAREM MAIS MEIAS?
Para o Brasileirão, o Palmeiras contratou quatro jogadores até aqui, três deles com característica que Cuca aprova – a versatilidade. Fabiano começou a carreira como zagueiro, mas atuou no Cruzeiro como lateral-direito. Fabrício é ala, mas pode jogar como meia esquerda. Tchê Tchê joga tanto como meia como lateral-direito.

Por isso, o treinador do Verdão enxerga que o elenco alviverde terá bastantes opções para o meio-campo, que também conta com Vitinho, de apenas 17 anos, que subiu para o profissional.

“É assim que gosto de trabalhar, gosto de versatilidade, de jogador que flutue, se desmarque, rode para criar espaços. É em busca disso que estamos indo. Temos a chegada do Tchê Tchê, que joga de lateral-direito, segundo volante, primeiro volante, ponta direita (…) O Vitinho é um meia! Se a gente fica com todos os meias com a mesma característica, você não usa o Vitinho. Ninguém aqui está fazendo nada à la louca, as coisas são planejadas. De repente eu ainda tenho uma necessidade no elenco. Vou tentar sanar isso para fechar o elenco”, explicou Cuca.



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.