Antônio Carlos Zago espera ter uma segunda chance no Palmeiras

Antônio Carlos
Divulgação / Palmeiras

Técnico do Juventude, vice-campeão do Gauchão, Antônio Carlos Zago teve rápida passagem pelo Palmeiras no início de carreira, em 2010. Em entrevista ao jornal Diário de S.Paulo, o profissional licenciado pela Uefa disse que espera voltar ao Verdão no futuro.

LEIA MAIS:
Tite defende André após pênalti perdido e cita ídolo do Palmeiras 
Mercado da bola: meia e zagueiro na mira! Veja as novidades nas negociações do Palmeiras 

“Dirigi o Palmeiras na hora errada e espero ter uma segunda chance, na hora certa. Estou preparado. É claro que não quero o lugar de Cuca. Estou me referindo a algum momento. É legal ver que o Paulo Nobre se cercou de grandes profissionais, como o Alexandre Mattos, bicampeão brasileiro”, disse.

Zago admitiu que assumiu o Palmeiras sem a preparação adequada e que o fato de parte de sua família torcer para o alviverde pesou na sua decisão precipitada.

“Desde o início, foi tudo errado. Eu não deveria ter ido para o Palmeiras, mas apareceu a chance de voltar para uma casa que conhecia, treinar o clube para o qual a maioria da minha família torce.. Tudo isso influenciou um pouco”, explicou.

O comandante detalhou como foram os procedimentos para conseguir as licenças da Uefa.

“Fui para a Europa. Hoje, tenho as três licenças da Uefa para ser técnico de futebol. Também fiz estágio no Shakhtar e na Roma, rodei pela Europa, fui auxiliar, técnico, observador, analista…A licença B exige que você passe 40 dias estudando de segunda à sexta, quatro horas por dia. A licença A te carga de 70 dias. Já a Uefa Pro, um ano“, contou.

Antônio Carlos, que foi zagueiro do Palmeiras na década de 90, treinou o Palmeiras em 19 jogos, com nove vitórias, cinco empates e cinco derrotas. Ele ainda desmentiu as informações de que a sua demissão teria sido motivada após se envolver em briga com o atacante Robert.

“Não teve isso. Essa história foi criada por um crápula que trabalhava no Palmeiras, o Sérgio do Prado, que depois acabou mandado embora pelo Felipão. Ele começou a fazer fofoca. Fomos jogar no Rio e liberei o time até certo horário. O Robert chegou atrasado, chamei a atenção dele e ficou por aí. Criaram essa situação”, completou.

 



Rafael Alaby é jornalista diplomado pela FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado), com passagens pela Chefia de Reportagem de Esportes, da TV Bandeirantes, em São Paulo e site KiGOL. Pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte (FMU)