Zico: Falta de estádios no Rio pode ser prejudicial no Brasileirão

Foto: Sandro Varela/Torcedores

Arthur Antunes Coimbra, ou simplesmente Zico é um homem marcado pela história, principalmente pelo fato de ter eternizado a camisa 10 do Flamengo. Ele também foi uma das estrelas da Seleção Brasileira em três Copas do Mundo (1978 – Argentina, 1982 – Espanha e 1986 – México) e não costuma fugir de divididas quando se trata de falar sobre assuntos polêmicos.

Nesta conversa com o site Torcedores.com ele comentou sobre o acordo do Esporte Interativo com vários clubes visando o Brasileirão a partir de 2019, além de criticar o modo como a questão dos estádios no Rio de Janeiro no estadual está sendo administrada.

Torcedores: Como você vê a assinatura do acordo entre o Esporte Interativo e os clubes?

Zico: Sempre é muito bom oferecer chances e oportunidades de conversas para uma melhora do futebol e dos clubes. O clube é a ‘célula-mater’ do futebol e eles precisam estar sempre fortes e o que o Esporte Interativo está fazendo é isso, fortalecer os clubes. Estamos brigando para que haja uma maior oportunidade de escolha. Eu que já estou no Esporte Interativo há quatro anos, fico feliz de ver a evolução deste processo.

Torcedores: Como você acompanha esta situação dos jogos do Campeonato Carioca estarem acontecendo em outros locais que não o Rio de Janeiro?

Zico: Esta é uma das coisas que a gente vem batendo faz tempo. Essa falta planejamento era algo que sabíamos desde 2009, quando aconteceu a escolha – que o Rio de Janeiro iria ficar nessa dificuldade. Os clubes sempre vão empurrando os problemas com a barriga e ninguém se planeja para 5, 6, 7 anos depois. Quando chega em cima da hora, tentam resolver da maneira deles e quem acaba prejudicado são os profissionais e os torcedores.

Isso a gente lamenta. Não que os outros lugares não possam receber jogos, mas não (é bom que seja) da maneira improvisada como tem acontecido. É lamentável chegar uma semana antes de uma semifinal e você não saber onde vai jogar, só que tem muita gente que acha isso normal e essa era uma situação fácil de ser resolvida. Poderia ter sido construído um estádio alternativo e lá no Rio tem praças para isso, como a Ilha do Governador (da Portuguesa), onde já teve uma arena ali, Caio Martins, Campo Grande, Moça Bonita, bastava os clubes se juntarem para isso.

Torcedores: Isso pode ter reflexo para os clubes cariocas no Brasileirão?

Zico: A questão de treinamento, viagem, estar longe de sua torcida. O Flamengo, por exemplo, não dá para quantificar o número de viagens que já fez neste ano, por exemplo. Você tem toda sua vida estruturada em um estado e com tantas viagens, do meio para o fim da temporada poderá ser prejudicial.

Torcedores: Sobre Seleção, um tema que te é tão caro, o que você mudaria e como você avalia o atual momento do time de Dunga?

Zico: Não vou dizer o que eu mudaria, porque ainda sou técnico de futebol ainda. Não é justo, nem leal da minha parte. O que temos que falar são sobre resultados e desde a última Copa do Mundo de 2014, o Brasil vem numa situação muito complicada e vem numa situação ruim nas eliminatórias. Talvez o Brasil tenha se iludido com os amistosos, só que amistosos não valem nada. As vezes, dependendo contra quem você vai jogar, não serve nem para testar seus jogadores. É mais preferível você testar jogadores em competições valendo do que em jogos amistosos, pois você pode ter nos amistosos uma certa enganação do que vem pela frente.

O que está faltando na seleção são resultados concretos e a gente torce para isso, para que o Brasil não se desespere num momento importante de classificação para a Copa do Mundo na Rússia, em 2018.