Você sabia? Doente, Telê Santana teve respaldo do Palmeiras em 1997, mas não conseguiu assumir clube

Crédito da foto: Divulgação/SE Palmeiras/Arquivo

Há dez anos, o Brasil perdia Telê Santana, um dos maiores técnicos da história do país. Boa parte do público lembra seus trabalhos na seleção brasileira e no São Paulo, porém, ele também já foi técnico do Palmeiras, em 1979. Na época, não conquistou títulos, mas do Palestra Itália veio o convite para assumir a seleção em 1980 e marcar seu nome com o futebol-arte no comando do selecionado na Copa do Mundo de 1982, na Espanha.

VEJA MAIS
ILUMINADO? PALMEIRAS GOLEOU NO DIA EM QUE GABRIEL JESUS NASCEU
OPINIÃO: FALAR DE TELÊ SANTANA NÃO É APENAS FALAR DE SÃO PAULO, MAS DO BRASIL
PAPO TÁTICO ESPECIAL: DEZ ANOS SEM TELÊ SANTANA
AO MESTRE TELÊ SANTANA COM CARINHO!

Havia uma espécie de dívida do treinador ao clube alviverde, por não ter terminado seu trabalho no fim da década de 1970. E ela poderia ser paga quase 20 anos depois, em 1997, após sair do São Paulo, quando recebeu convite da equipe palestrina e assinou contrato. Mas, meses antes, uma isquemia cerebral foi seu grande adversário, “rival” que o acompanharia por toda a vida. Por conta disso, não conseguiu assumir o Verdão de imediato.

O Palmeiras ainda acreditava em sua recuperação, até por isso o contratou, mesmo já adoecido. O auxiliar Márcio Araújo ficou interinamente no time no Campeonato Paulista e os torcedores tinham a expectativa de uma boa notícia: a da reabilitação de Telê. Os diretores não foram atrás de um novo treinador, queriam o “Mestre” e o deram respaldo necessário até onde era possível.

Entretanto, a doença avançou e o comandante não comandou o clube de Palestra Itália. Foi orientado pela família para não seguir na carreira e assim o fez a partir de abril daquele ano. Era o ponto final na carreira de um professor da bola. Por ironia do destino, Luiz Felipe Scolari chegou depois do Paulistão e escreveu seu nome no Alviverde na “Era Parmalat”, com os títulos da Copa do Brasil de 1998, Copa Mercosul de 1998, Libertadores de 1999 e Torneio Rio-São Paulo de 2000.



Jornalista desde 2012, com passagens pelos jornais ABCD Maior e Diário do Grande ABC, além do canal NET Cidade. Atualmente como repórter colaborador no site Torcedores.com.