São Paulo se classifica para as Oitavas, em jogo típico de Libertadores

Crédito da foto: Getty Images

Classificado! Esta é a palavra que o torcedor do São Paulo pôde gritar após uma partida em La Paz, que foi um verdadeiro sufoco. O time brasileiro precisava “apenas” de um empate, contra o The Strongest da Bolívia, mas para isso além de enfrentar o time boliviano o tricolor teria que vencer a altitude de 3.600 metros da capital boliviana. O jogo foi de tirar o fôlego, uma típica partida de Libertadores.

O São Paulo, vinha de uma derrota acapachante para o modesto Audax, pelas quartas-de-finais do campeonato paulista, no entanto precisava segurar um empate contra o The Strongest e resistir à temida altitude. Para isso o tricolor chegou em La Paz apenas na hora do jogo para sentir menos os efeitos colaterais. Grande parte da torcida e da imprensa, já sabia que Patón Bauza, iria escalar o time com 3 volantes, mas não se imaginava o maestro do time Ganso fora do jogo, porém foi isso que Bauza fez, tirou Ganso para colocar Wesley, queria o 10 são-paulino jogando o segundo tempo descansado, para segurar a bola.

Foi uma tacada de mestre do técnico argentino, que mostra que não ganhou duas Libertadores à toa. O The Strongest, é um time limitado, mas jogando em La Paz é um time mais perigoso. O São Paulo jogava bem, neutralizava o time boliviano, a trinca de volantes, a dupla de zagueiros, os laterais, todos funcionavam, mas aos 28 minutos de jogo, Mena fez uma falta desnecessária, Pablo Escobar levantou na área, Dênis falhou e Cristaldo fez o gol, 1×0 para os bolivianos. A estratégia de Bauza, ia por água abaixo, porém, aos 43 minutos, escanteio para o São Paulo, Kelvin levantou na área, o  goleiro boliviano saiu mal, e o argentino Calleri testou firme e empatou a partida.

http://gty.im/523068278 Veio o segundo tempo, e a promessa de um The Strongest mais insinuante e um São Paulo mais cansado. Mas, o time boliviano http://gty.im/523068278 pouco conseguia atacar, a tática tricolor funcionava lindamente, as bolas na área eram tiradas pelos zagueiros Maicon e Rodrigo Caio, Hudson era gigante, ajudava muito o sistema defensivo, Thiago Mendes e o Wesley, também eram fundamentais. Aos 25 minutos saiu o amarelado e exausto Bruno, entrou Caramelo, aos 28 minutos, saiu Michel Bastos, entrou Ganso e aos 30 saiu Calleri, entrou Alan Kardec, O camisa 14 iria jogar como um meia ajudar na marcação e deixar Ganso leve e sozinho na frente para segurar a bola. Aos poucos, os jogadores iam cansando, mas mesmo assim o time boliviano, pouco atacava. Já eram jogados 48 minutos, o jogo ia aos 50, Dênis que já tinha amerelo desde o primeiro tempo, fez cera e foi expulso. A confusão gerou uma confusão generalizada, o juiz deu mais dois minutos de acréscimo, e Maicon o gigante zagueiro tricolor, foi para o gol, deu duas saídas providenciais e salvou o São Paulo. Ufa!!! São Paulo classificado. Mas no fim do jogo ainda teve tempo para uma confusão generalizada, o argentino Calleri, tomou chutes, e socos, mas mesmo assim foi expulso, injustamente.

A diretoria tricolor recorrerá e tentará ter Calleri na partida contra o Toluca. O importante é que o São Paulo se classificou, em uma partida onde teve de tudo, briga, luta, entrega, gol e confusão. O São Paulo como diz o narrador do Fox Sports, Gustavo Villani, é a camisa que entorta o varal, o time brasileiro mais acostumado com a Libertadores, e tem que ser respeitado. Além de camisa pesada, tem tradição e respeito internacional. Agora pega o Toluca, na semana que vem no Morumbi. É uma nova competição, tudo zerado, e o que passou na primeira fase tem que ser esquecido. Parabéns a todos os jogadores do São Paulo e principalmente ao técnico Patón Bauza que foi um verdadeiro estrategista.



Sou um estudante de jornalismo da Universidade São Judas Tadeu,amo futebol porém adoro todos os esportes,adoro escrever sobre o mercado da bola e fazer análise de jogos,espero que os leitores gostem.