São Paulo: Entenda o porquê Alan Kardec virar moeda de troca para o clube

Crédito/ Site oficial saopaulofc.net

O atacante Alan Kardec não vive seu melhor momento no São Paulo. Longe dos holofotes, o camisa 14 tem sofrido em 2016, e não repete o bom futebol apresentado nas temporadas anteriores no tricolor e no rival Palmeiras, até agora (sábado, 16 de abril), apenas 1 gol, ante o Santos.

O que poucos sabem é que há alguns motivos que levaram o jogador e ter uma queda vertiginosa em seu desempenho. Entenda quais foram os motivos que levaram Alan Kardec para má fase:

Leia Mais:

São Paulo define três mudanças no Paulistão

A sombra: O atacante terminou 2014 com gols e sendo titular, mas não absoluto, o tempo que esteve no clube sempre teve a sombra de Luis Fabiano, e mesmo jogando melhor, era reserva. Ele entendia que por Luis ser ídolo e artilheiro, ele não podia ser “egoísta” e brigar pelo posto, esperaria sua chance.

Contusão: Em 2015, quando iniciava a titularidade sofreu séria lesão no joelho e desfalcou o clube por 6 meses, sua saída foi sentida, pois, junto de Pato, formou a dupla de ataque que melhor mostrou desempenho nos últimos anos.

Volta por cima: Kardec voltou em outubro aos gramados e em Novembro reestreou mostrando sua estrela. No jogo contra o Atlético-MG que deu o tricolor o quarto lugar na ocasião, ele entrou e fez gols, deu passe e incendiou a partida. Com a saída de Luis Fabiano, imaginava-se sua titularidade.

Chegada de Calleri: Com a chegada do argentino, Kardec tinha novamente outra sombra.

Paton Bauza: A chegada de Bauza não mudara a estratégia de Kardec em ser titular. Pelo contrário, nos primeiros testes, Kardec foi titular e no jogo contra o Cesar Vallejo, pela pré-libertadores, fez gol, não validado. Mesmo assim, continuara titular. Com o passar dos jogos e o desempenho aquém do esperado, o camisa 14 perdeu a posição de titular e começou a demonstrar insatisfação.

Causa e consequência

Primeiramente, Kardec sentiu-se desprestigiado, pois perdeu em poucos jogos a titularidade, e ainda questionou internamente o porquê dele sair antes de outros atletas que tiveram mais oportunidades e desempenho até pior, como Centurion, por exemplo.

Bauza nitidamente escolhera Calleri para ser o comandante de ataque, mas e o Kardec?

Bom, o que apurou-se é que o jogador está desmotivado e sem vontade. Não que seja mau caratismo ou coisa parecida, não é. O jogador é muito boa pessoa e excelente profissional, por sinal, o que acontece é que ele enxerga que por mais que faça tudo nos treinos, não será titular, e por isso pensa em sair.

Esse pensamente vem das conversas com seu pai, que também é seu agente. O empresário está descontente com a posição do clube ante as escolhas técnicas. Alan Kardec ouve muito seu pai, e sua insatisfação perante o quadro influencia ainda mais o jogador e demonstrar a falta de “apetite”.

O que fazer?

Kardec esteve perto de deixar o São Paulo por três vezes em 2016: no início do ano houve sondagem do Vasco para seu retorno ao clube que o revelou. Rechaçado previamente pelo clube paulista. Depois Fluminense e Santos demonstraram interesse, justamente por conta do quadro apresentado.

Na última semana a saída esteve perto de acontecer, o Fluminense, que estava contando com a saída de Fred, se interessou novamente e uma troca entre os clubes, envolvendo Fred e Kardec esteve próxima de ocorrer.

As chances

Kardec precisa entender que fases ruins ocorrem para todos, e que mesmo que o treinador escolha Calleri, ele Calleri, tem prazo de validade. Em junho sairá, e Kardec novamente assume a titularidade. A briga por posições precisa ser saudável.

Se Kardec entende que não será titular por conta das preferências de Bauza, deveria ter ciência que jogar mal ou com “tiriça” não vai fazê-lo voltar a ser titular. Pelo contrário, mostrará que Bauza está certo em suas escolhas.

Se Calleri sair, o São Paulo buscará outro atacante para o lugar. Certamente Kardec não será uma estrela solitária.

Por outro lado, o clube precisa encontrar um meio de motivar o jogador que custou R$14 milhões aos cofres do tricolor, a questão está em pauta e definiu-se que a saída seria a melhor pedida no momento, uma pelo alto salário (cerca de R$ 350 mil) e outra pelo fato de demonstrar apatia na briga interna com Calleri.

Porém, a saída de Kardec poderia atrapalhar os planos do São Paulo a longo prazo. Justamente por conta de Calleri ir embora após o meio do ano.

Gol perdido contra o River Plate.

Crédito/Retirado do You Tube
Crédito/Retirado do You Tube

 

Conclusão

Alan Kardec precisa encontrar o bom futebol novamente, está em má fase, o gol perdido na quarta-feira ante o River é a mais clara situação de má fase. E má fase passa. No entanto, não é ficando deprimido e não se concentrando, que ela passará.

O São Paulo precisa entender que se desfazer de Kardec  não melhora a situação, perderia um bom atacante e reforçaria um rival. Não será assim que os problemas irão cessar. Kardec não foi o único a ter problemas de desempenho por conta deste tipo situação no atual elenco.

Resta ao jogador encarar o problema e dar a volta por cima, em breve será titular novamente e terá que conviver sempre com alguma sombra, pois clube grande precisa de bons jogadores em todas as posições.

Resta ao clube dar suporte e até ajuda a jogadores que sabiamente tem potencial, mas que tem dificuldade em encarar certas situações.

 



Jornalista. Gosta de abordar sobre futebol e às novidades do mundo na fórmula 1. Atualmente é analista de mídia para Honda S.A.