Divisão da renda causa revolta do São Bernardo contra o Palmeiras

Palmeiras
Crédito da foto: Cesar Greco / Fotoarena

O Palmeiras venceu o São Bernardo em campo, na última segunda-feira (18), pelas quartas de final do Paulistão, e avançou na competição. Porém, fora de campo, o duelo ainda promete mais alguns capítulos. De acordo com o regulamento acordado entre os clubes do Paulistão, a renda da partida única das quartas é dividida igualmente entre as duas equipes na disputa. Mas o Bernô reclama do valor repassado pelo Verdão.

LEIA MAIS:

MESMO COM JOGO NA VILA E SEM SUA TORCIDA, PALMEIRAS TERÁ METADE DA RENDA CONTRA O SANTOS

RETORNO DE TOBIO AO PALMEIRAS SOFRE FORTE RESISTÊNCIA NO CLUBE

De acordo com informações da rádio “Bradesco Esportes”, a renda total da partida foi de R$ 1,75 milhão com a bilheteria no Allianz Parque, entretanto o São Bernardo alega ter recebido apenas R$ 450 mil e o presidente Luiz Fernando Teixeira cobrou explicações do mandatário alviverde, Paulo Nobre.

Para explicar a situação, segundo a publicação, o Verdão alegou que teve outros custos no estádio e o valor total da renda terminou sendo de R$ 900 mil. Segundo o Palmeiras, taxas de limpeza, manutenção de elevadores, serviço de macas, buffet e gradeamento, entre outros diminuíram o valor. Além disso, o Verdão  cobrou ainda aluguel de R$ 264 mil do Bernô.

Desconfiado dos gastos, o Tigre do ABC promete acionar a Federação Paulista de Futebol (FPF) para pedir a revisão de valores a que o clube tem direito.

Ainda segundo a publicação, esse caso não é o primeiro de reclamação contra o Verdão relativo a repasse de renda. Em 2014, também no mata-mata do Paulistão, o presidente do Bragantino, Marquinhos Chedid, teve forte discussão com José Carlos Brunoro, então diretor de futebol do Verdão, pelo mesmo motivo.

Por outro lado, o jornalista Alexandre Praetzel informou em sua conta no Twitter que, do montante total arrecadado na partida Palmeiras x São Bernardo, R$ 351.876,11 ficaram com a FPF.