Saiba quais foram os principais feitos de Rubens Barrichello

Crédito da foto: Divulgação/Site oficial do piloto

Acompanhando F1 desde 1983 pude ver pilotos geniais nas pistas, e vi também outros ótimos pilotos como Ricardo Patrese, René Arnoux e o brasileiro Rubens Barrichello – é sobre ele que quero falar.

LEIA MAIS:
COM VOLTA NO FINAL, ROSBERG FATURA POLE PARA O GP DA CHINA
COM PISTA MOLHADA, VETTEL LIDERA TL3 NA CHINA

Barrichello surgiu pra valer na F1 em 93 durante o auge de Ayrton Senna. As comparações foram inevitáveis. Senna se foi tragicamente em 94 e todas as esperanças dos brasileiros se focaram em Barrichello. Senna foi o ultimo gênio no nosso automobilismo, e após sua partida os torcedores ficaram carentes de um ídolo.

Infelizmente havia outro gênio para correr contra Barrichello: o alemão Michael Schumacher. Durante esses anos, pôde-se constatar que o brasileiro era um ótimo piloto, mas entretanto estava longe de ser um gênio e, por isso, as criticas foram inevitáveis.

Equivocadamente Rubens passou a ser motivo de chacota entre torcedores e propaganda de celular, sendo chamado de “pé de chinelo” e lento pela torcida brasileira. Ainda que muitos especialistas reconhecessem as qualidades de Rubens como piloto, as criticas e chacotas injustas prevaleceram.

Em 2000, Barrichello se transferiu para a Ferrari, que após anos voltava a ter um carro de ponta, mas havia Schumacher mais uma vez no caminho.

Infelizmente não havia nada a fazer. Barrichello foi bem e venceu corridas durante o auge da era Schumacher na F1. Entretanto, as criticas e chacotas injustas voltaram com mais força do que antes.

“Sempre atrás do alemão”, era o que eu mais ouvia nos bares e botecos. As paixões não me deixavam explicar minha defesa enfática do brasileiro contra as criticas injustas. Barrichello deixou a F1 com mais de 300 GPS (marcas que muitos gênios não atingiram, diga-se).

Em 2014, acompanhei a Stock Car e torci para que Barrichello vencesse o título e vibrei como nunca com sua conquista, pois isso prova que ele não era e nunca foi aquele “pé de chinelo” que se falava injustamente no Brasil. Esse moço merece todo o nosso respeito, pois ser segundo piloto de Schumacher não é nenhum demérito.

As comparações entre Senna e Barrichello nasceram pela falta de sensibilidade do público em geral em entender que são patamares completamente diferentes.

Compararam Barrichello com alguém que em vida foi um gênio igual a Schumacher. Embora Barrichello não seja um Senna ou um Schumacher, tem seu talento, seu mérito e é reconhecido por especialistas como um ótimo acertador de carros. Portanto, ele merece respeito.