Polícia de SP realiza mandados de prisão contra organizadas de Corinthians e Palmeiras

Montagem: Daniel Augusto Jr/ César Greco

A Polícia Civil de São Paulo cumpre, na manhã desta sexta-feira, 98 mandados judiciais, entre prisões e buscas, nas sedes de torcidas organizadas de Corinthians e Palmeiras envolvidos em brigas no clássico do último dia 3 de abril, pelo Campeonato Paulista. A intervenção policial foi intitulada “Operação Cartão Vermelho” e envolve as agremiações Gaviões da Fiel e Pavilhão 9, do Alvinegro, e a Mancha Alvi Verde, do Verdão.

LEIA TAMBÉM:
Palmeiras goleia River, mas derrota do Nacional elimina Verdão da Libertadores
Saiba quanto Marquinhos Gabriel vai ganhar no Corinthians até o fim de 2020

A operação começou às 5h30 da manhã e já encaminhou mais de 20 torcedores à sede da Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), no Centro, suspeitos de participarem de crimes, como agressões.

Para a “Operação Cartão Vermelho”, foram deslocados mais de 100 viaturas em São Paulo, Guarulhos, Santos, Campinas e outros municípios da região metropolitana. É a primeira vez que a polícia faz esse trabalho com batidas simultâneas em todas as sedes das torcidas organizadas. 

Entre os detidos está o corintiano Helder Alves Martins, um dos envolvidos na briga entre organizadas de Corinthians e Palmeiras, na Zona Leste, antes do clássico, quando um homem morreu baleado. Além disso, ele também ficou marcado por um jogo na Bolívia, em 2013, quando estava no grupo de torcedores que atirou um sinalizador, o qual matou o menino Kevin Espada.

A pedido do secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP), Alexandre de Moraes, a Secretaria da Fazenda está auxiliando a operação com equipes de fiscalização contábil nas sedes das torcidas. No total, foram registrados quatro confrontos entre torcedores e mais de 60 pessoas foram detidas no dia 3 de abril.

Curtiu a matéria? Siga o autor no Twitter: @fontes_matheus.
Facebook: Matheus Martins Fontes.

Montagem: Daniel Augusto Jr./César Greco



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.