Opinião: quem pode surpreender nos playoffs da NBA?

playoffs
Foto: Reprodução/Facebook NBA Brasil.

Após a aposentadoria de Kobe Bryant e o recorde do Golden State Warrios, a NBA entra na sua fase de playoffs. As primeiras partidas começam neste sábado e a final está prevista para começar no dia 2 de junho. Com promessas de bons jogos e ritmo acelerado, a pós-temporada tem algumas equipes consideradas favoritas, mas há times que podem surpreender.

LEIA MAIS:
Opinião: a despedida de Kobe Bryant
Playoffs da NBA começam hoje com três transmissões para todo o Brasil

Antes de prosseguir aqui no texto, devemos deixar claro que o texto trata-se de uma opinião, sendo assim, não quer dizer que o que está escrito é o que vai acontecer. É interessante quando as ligas americanas entram em período de pós-temporada, afinal é um campeonato novo, pois não quer dizer que o favorito será de fato campeão, ou que as equipes tidas como “mais fracas” não darão problemas na fase de playoffs.

Detroit Pistons

Em sua primeira pós-temporada desde 2009, o Detroit Pistons não é a equipe favorita na série que pode ter até 7 jogos contra o Cleveland Cavaliers. O time foi inconsistente ao longo de 2015-2016, mas venceu três partidas de quatro confrontos realizados contra os Cavaliers na temporada regular. A principal vitória aconteceu em fevereiro, quando limitaram Lebron James a apenas 12 pontos. Vale a pena ressaltar que o Pistons foi uma das únicas equipes na temporada a derrotar o Golden State Warriors.

Detroit deve apresentar uma forte marcação nessa série contra o Cavaliers.  O time precisa dominar nos rebotes ofensivos, algo que tem feito bem ao longo da temporada. De acordo com as estatísticas da NBA, o Pistons teve, em termos de porcentagem, a segunda melhor performance de rebotes ofensivos, ficando atrás somente do Oklahoma City Thunder. O time possui Andre Drummond, Reggie Jackson e Marcus Morris, como destaques e são os jogadores que podem desequilibrar o confronto a favor do time de Detroit, principalmente os dois primeiros. O que pode prejudicar a franquia nessa série, além da baixa rotatividade do elenco, é a defesa que pode não ser capaz de segurar o explosivo ataque do Cavaliers.

O Pistons com certeza dará trabalho a Lebron e companhia e não duvide se a série for encerrada com classificação, ou ao menos duas vitórias a favor de Detroit.

Charlotte Hornets

A presença do Charlotte Hornets pode ser considerada uma surpresa. O motivo? Chicago Bulls e Washington Wizards, muito por conta das boas campanhas ano passado, além de bons elencos, foram ranqueados à frente dos Hornets. Mas por uma série de fatores, não se garantiram na pós-temporada. Assim como o Detroit Pistons, o Charlotte Hornets não perdeu tempo e aproveitou a fraca temporada das duas equipes (Bulls e Wizards).

Pelo que a equipe de Charlotte fez na temporada, pode muito bem surpreender nos playoffs. Longe o suficiente para acabar com o favoritismo do Cleveland Cavaliers ou Toronto Raptors na Conferência Leste? Talvez não, mas se depender do bom momento de seu armador, Kemba Walker, o Hornets dará trabalho aos adversários. Nas últimas partidas, Walker fez uma média de 22 pontos e foi peça chave para os 13-3 (treze vitórias e três derrotas) no mês de março.

O time necessitará da inspiração de Walker, Williams e Batum (este último pode estar ausente na primeira partida da série devido a uma contusão), além de Jeremy Lin, que tem entrado muito bem no decorrer das partidas, na distribuição passes e anotando pontos.

Para se classificar, a equipe precisa derrotar o Miami Heat. Possivelmente sem Chris Bosh, ainda fora por conta de um coágulo na perna direita, o time da Flórida vem com o trio Luol Deng, Dwyane Wade e Joe Johnson, que tem tido um entrosamento interessante. A experiência aqui pode ser um fator determinante no confronto, mas se a marcação do Hornets conseguir ao menos anular o jogo de Wade e Johnson, e ganhar nos rebotes, o Heat terá problemas sérios.

Los Angeles Clippers

Você deve estar se perguntando o motivo pelo qual Los Angeles Clippers se encontra nesta lista. A justificativa é o problema que o Clippers pode encontrar na semifinal da Conferência Oeste. Nas quartas-de-final, o Los Angeles enfrentará a equipe do Portland Trail Blazers. Pela qualidade do elenco, é muito provável que o Clippers passará. E o tal problema citado neste parágrafo é o atual campeão da NBA, Golden State Warrios.

O Warriors deve passar fácil pelo Houston Rockets (decepção desta temporada), afinal já tem um tempo que se questiona problemas de relacionamento entre os principais astros da equipe Texana (Howard e Harden) e do elenco, somente o armador barbudão tem sido o principal destaque da franquia ao longo da temporada. Passando de fase, a provável semifinal será contra o Clippers e nesse confronto quem pode surpreender é exatamente a equipe de Los Angeles. Mas por quê?

O Warriors é uma equipe que marca bem e pressiona os adversários no momento dos arremessos. Mas em 6 das 9 derrotas sofridas ao longo do ano, o Golden State perdeu no quesito rebotes. E aqui pode ser um ponto a favor para o Los Angeles Clippers, que possui Blake Griffin e DeAndre Jordan em seu elenco. Ambos os jogadores são máquinas de pegar rebotes e para o Clippers vencer, precisa se impor nesse quesito, principalmente no ataque (rebotes ofensivos).

Como toda questão levantada tem o seu porém, para o Clippers não será diferente. Blake Griffin ficou fora do time por 45 jogos devido a mão quebrada e uma suspensão. O jogador retornou ao time no dia 3 de abril, na vitória sobre o Washington Wizards por 114 a 109. Em sua ausência, Doc Rivers optou por escalar o veterano Paul Pierce na posição e como mostrado no site Tripledouble, o Clippers teve o terceiro pior aproveitamento em rebotes da liga. Desde o seu retorno no inicio do mês, Griffin tem estado longe da média de 20 pontos,

A sorte do Clippers é que além dos sete jogos já feitos em abril, Griffin terá a série contra Portland para poder entrar ainda mais em forma e retornar a média de 20 pontos e 8 rebotes que teve até dezembro de 2015.