Opinião: Não se iluda. Ainda é preciso ver o Corinthians jogar sob pressão

Corinthians x Santos
Daniel Augusto Junior / Agência Corinthians - Giovanni Augusto - 4,50 milhões de euros

A classificação para as semifinais do Paulistão foi muito fácil. A goleada por 4 a 0 sobre o Red Bull Brasil, na Arena Corinthians, quase não teve graça. Os gols de Giovanni Augusto, André, Alan Mineiro e Lucca saíram naturalmente, como em uma pelada entre amigos. Fique atento, portanto, para ver como esse Corinthians reage sob pressão.

LEIA MAIS
CORINTHIANS X RED BULL BRASIL: ASSISTA AOS GOLS DA CLASSIFICAÇÃO DO TIMÃO
A GOLEADA DO CORINTHIANS EXPLICADA EM 5 RAZÕES

Duas experiências mostram que ainda falta quilometragem para esse time: contra o Cerro Porteño, pela Libertadores, bastou a expulsão de André pra o caldo desandar. Os paraguaios estavam em péssima fase, mas mesmo assim conseguiram virar o jogo contra um instável Corinthians. Parte psicológica em frangalhos.

O mesmo aconteceu contra o rival Palmeiras. Não houve jeito de o Timão propor o jogo. O elemento mais importante do esquema tático corintiano foi esquecido: a marcação na saída de bola do adversário. Quando esse quesito é praticado com dificuldade (ou não é colocado em prática), a armação fica prejudicada e as jogadas não fluem. Nem com reza brava para São Jorge.

Contra o Red Bull, Guilherme, Bruno Henrique, Lucca e até um surpreendente Alan Mineiro estavam ligados nos movimentos do adversário e conseguiam antecipar qual seria a jogada. O placar elástico desta tarde está totalmente relacionado com essa eficiência.

Na hora do vamos ver, dos clássicos, de um jogo decisivo pela Libertadores, pelo Paulistão ou pela Copa do Brasil, o mesmo precisa acontecer se o Corinthians almeja algo maior. As partidas complicadas, catimbadas ou com grau de responsabilidade grande sempre aparecem, e os jogadores precisam estar preparados para isso.

Até agora está tudo muito fácil, mas esse não é o normal. É prudente e necessário ver como o Corinthians reage sob pressão. Será o mesmo do heroico empate em 2012, contra o Boca Júniors, na Bombonera (quando a feijoada tinha tudo para azedar) ou será o time apático que perdeu duas vezes do Guaraní do Paraguai em 2015?

Não vamos demorar muito para descobrir.



Mídias Sociais da AS Roma Brasil, MBA em Gestão Estratégica de Negócios, blogueiro desde 2007 e radialista amador. Escreve sobre futebol italiano, automobilismo e o que aparecer, mas gosta mesmo é de contar boas histórias