Opinião: Acredite, com ou sem Denis, o São Paulo chegou

Crédito da foto: Facebook Oficial do São Paulo

Se um dia torcer para o São Paulo foi uma grande moleza, nos dias de hoje, não recomendo para quem sofre de algum problema cardíaco. Sei que isso é batido para justificar qualquer má fase de um time grande, mas no caso do Tricolor, é a mais pura verdade. Os jogos do São Paulo conseguem ser emocionantes até mesmo na divulgação de uma simples escalação. Foi o caso ontem.

LEIA MAIS:
APÓS SUPOSTA PROVOCAÇÃO, CALLERI É ALVO DE ATLETAS DO THE STRONGEST E ACABA EXPULSO
CONFIRA OS CONFRONTOS DAS OITAVAS DE FINAL DA LIBERTADORES
OPINIÃO: DENIS É GOLEIRO PARA O SÃO PAULO?

Durante os dias que antecederam o jogo, a grande discussão foi: se o São Paulo vai jogar com três volantes, quem vai sair? Quando saiu a escalação, veio a surpresa, porque o escolhido foi Ganso, o grande destaque do time este ano, ao lado do Calleri. A explicação é fácil de imaginar: Bauza queria um time com o meio de campo compacto, a ponto de evitar chutes de média distância e qualquer tipo de jogada por aquele setor. Forçar o Strongest a procurar jogadas pelas laterais, porém, sem um atacante dentro da área para finalizar. Achei interessante, mas não concordei com a saída de Ganso. No fim, a coragem de Patón Bauza deu certo.

Dentro de campo, vimos o mesmo São Paulo que tem jogado a Libertadores desde a primeira partida contra o César Vallejo: não falta vontade, as vezes, o que falta é qualidade, principalmente no gol. O problema de Denis não é exatamente debaixo do gol, mas sim, quando ele resolve sair dele. Na maioria dos lances, sai errado, ou demora para sair. Foi assim em diversas partidas este ano, e principalmente, foi assim nos dois confrontos diante do River Plate. Aquela vitória na Argentina, poderia ter evitado todo o sufoco da noite de ontem.

Sim, sufoco. Só um time jogou no ataque ontem. Calleri ficou isolado no ataque, a bola não chegava nele. O esquema de Bauza estava dando certo, até que em uma falta para o time boliviano, a bola foi levantada na área Tricolor. Denis saiu errado de novo, e além de deixar o gol vazio para o Strongest abrir o placar, deixou o São Paulo momentaneamente fora da Libertadores. Não parecia que o Tricolor do Morumbi reagiria, mas surgiu um escanteio, o qual Kelvin cobrou e Calleri, corrigiu o erro de Denis: jogo empatado e o São Paulo de volta a Libertadores.

Se esperava que no intervalo, Patón colocaria Ganso em campo. Quebramos a cara, porque o time voltou a campo sendo o mesmo da primeira etapa, e não demorou muito para a altitude derrotar os jogadores do São Paulo. O primeiro foi Bruno, que saiu para a entrada de Caramelo. O segundo foi Michel Bastos, e então Ganso entrou no jogo. Ele não tinha como tentar muita coisa, pois todos os jogadores do São Paulo já estavam em seu limite. Calleri também não aguentou e deu lugar para Kardec. Era incrível ver jogadores como Mena e Kelvin ainda tentando puxar um contra ataque, sendo que na maioria das vezes estavam sozinhos. E ficou claro, que o Strongest tinha como principal destaque em seus domínios, a altitude. Era um time fraco, dependente de um único jogador, Pablo Escobar, que não fez uma boa partida ontem.

Mas, o São Paulo tinha Denis, que já tinha levado cartão amarelo no primeiro tempo, e que conseguiu levar o segundo nos acréscimos, por causa da demora em cobrar um tiro de meta. Um erro bobo, como quase todos que Denis cometeu neste ano. Sem possibilidade de fazer alterações, quem foi para o gol foi o zagueiro Maicon. O Strongest então passou a lançar a bola para dentro da grande área, mas Maicon saiu bem em todas (aprende Denis!), e garantiu o São Paulo nas oitavas da Libertadores com o empate em 1 a 1.

Ainda houve uma confusão na saída do gramado, na qual Calleri foi expulso, em uma situação que ninguém entendeu exatamente o motivo. Mas, é aquela velha mania do futebol sul americano: se não conseguimos ganhar na bola, vamos ganhar na porrada porque o campo é nosso, o tal chamado “espirito de Libertadores” que muitos aprovam. O importante é que a partir de agora, é outra competição. Qualquer um dos dezesseis times podem ganhar a competição, pois o que tem que ser feito para chegar ao titulo, esta ao alcance de todos. Cada um depende apenas de si, o que me entristece um pouco, porque não dá para confiar neste time do São Paulo. Porém, o São Paulo chegou onde muitos duvidaram que chegaria. Com, ou sem Denis.

OBS: Nota dez para todos os jogadores do São Paulo, menos é claro, para o goleiro Denis.