Opinião: em busca do ouro inédito, Brasil tem grupo fácil no Rio-2016

Crédito da Foto: Reprodução Facebook Oficial Jogos Olímpicos Rio-2016

O Brasil conheceu o caminho rumo ao ouro inédito nos Jogos Olímpicos do Rio-2016 nesta manhã (14/04), em sorteio realizado no Estádio do Maracanã. No futebol masculino, a seleção brasileira terá pela frente as seleções da Africa do Sul, Iraque e Dinamarca.

LEIA MAIS:
RIO 2016: CONHEÇA DESTAQUES DO “GRUPO DA MORTE” DO FUTEBOL MASCULINO
RIVAL DO BRASIL, ÁFRICA DO SUL SE ANIMA COM SORTEIO DA RIO 2016

No sorteio também ficou definido que o Brasil só poderá enfrentar seleções como México, Alemanha, Argentina e Portugal, em uma eventual final ou disputa pelo bronze. Confira o que esperar de cada um dos adversários da seleção brasileira no Grupo A do futebol masculino Rio-2016:

 

AFRICA DO SUL – ADVERSÁRIO DA ESTRÉIA, DIA 04 DE AGOSTO ÀS 16 HORAS, NO ESTÁDIO MANÉ GARRINCHA, EM BRASÍLIA

O adversário da estréia do Brasil no futebol masculino, fez um jogo amistoso recentemente contra a seleção brasileira em Maceió. O confronto foi no dia 27 de março deste ano, e o Brasil venceu por 3 a 1, gols de Rodrigo Caio, Fabinho e Andreas Pereira. Mothiba fez o gol dos sul africanos.

Os Bafana Bafana, como é conhecida a seleção sul africana, participará pela segunda vez dos jogos olímpicos no futebol masculino. Sua estréia foi em 2000, nos jogos olímpicos de Sydney, na Austrália e terminou em 10º lugar. No Campeonato Africano Sub-23 realizado no final do ano passado em Senegal, a Africa do Sul ficou em terceiro lugar e dessa forma garantiu a sua participação nos jogos Rio-2016 (as outras duas vagas ficaram com a campeã Nigéria, e a vice Argélia). O grande destaque dos Bafana Bafana é o goleiro Jody February, do Ajax Cape Town (time sul africano), que defendeu dois pênaltis na decisão do terceiro lugar contra Senegal no Campeonato Africano Sub-23, partida que foi definida nas cobranças de pênaltis após o empate no tempo normal em 0 a 0.

 

IRAQUE – ADVERSÁRIO NA SEGUNDA RODADA, DIA 07 DE AGOSTO ÀS 22 HORAS, NO ESTÁDIO MANÉ GARRINCHA EM BRASÍLIA

Na segunda rodada, ainda jogando em Brasília, o Brasil vai encarar a seleção do Iraque. Os iraquianos, que não participaram da modalidade nos jogos olímpicos de 2008 e 2012, foram a grande sensação dos jogos em 2004, disputado na Grécia. Na ocasião, a seleção do Iraque foi líder do grupo D, no qual estavam as seleções da Costa Rica, Marrocos e Portugal (favoritos ao ouro naquela edição, e que mesmo com Cristiano Ronaldo fazendo parte do elenco, ficou em último lugar no grupo e ainda perdeu de 4 a 2 para os iraquianos na estréia). Porém, o Iraque perdeu nas semi finais para o Paraguai, e na disputa pelo bronze, foi derrotado pela Itália, ficando com o quarto lugar.

No Campeonato Asiático Sub-23 que foi realizado em Janeiro deste ano no Catar, os iraquianos terminaram em terceiro lugar, após derrotar a seleção dos donos da casa na disputa da última vaga. Ficaram com as outras duas vagas do continente as seleções do Japão (campeã da competição) e Coréia do Sul (vice).

 

DINAMARCA – ADVERSÁRIO NA TERCEIRA RODADA, DIA 10 DE AGOSTO ÀS 22 HORAS, NO ESTÁDIO FONTE NOVA EM SALVADOR

Para encerrar sua participação na fase de grupos dos jogos Rio-2016, a seleção brasileira vai até Salvador encarar o adversário mais tradicional aparentemente: a Dinamarca. Os dinamarqueses conquistaram a vaga ao chegar nas semi finais do Campeonato Europeu sub-21, realizado em junho do ano passado na República Checa. Após ter feito uma boa primeira fase, onde foi líder do seu grupo  com seis pontos (Alemanha, República Checa e Sérvia eram as outras equipes do grupo), a Dinamarca acabou sendo goleada nas semi finais pela campeã Suécia, por 4 a 1, mas já tinha garantido sua classificação para os jogos do Rio-2016. O grande destaque da seleção dinamarquesa é o jovem atacante Fischer, de 21 anos que atualmente joga no Ajax da Holanda. Ele passou por todas as seleções de base da Dinamarca, e atualmente tem feito parte do elenco principal. A Dinamarca já participou oito vezes do futebol masculino nos Jogos Olímpicos, e assim como a seleção brasileira, o seu melhor resultado na modalidade foi a medalha de prata em três oportunidades: 1908, 1912 e 1960. Lembrando que o Brasil foi três vezes medalha de prata: em 1984, 1988 e 2012.