Kobe Bryant se despede da NBA com 60 pontos em noite perfeita

Kobe Bryant
Crédito / Reprodução Facebook oficial LA Lakers

Quando Shaquille O’Neal pediu a Kobe Bryant que marcasse 50 pontos no seu jogo de despedida, ninguém levou a sério. Kobe Bryant chegou para a última partida de sua carreira com média de quase 17 pontos por jogo. Talvez só o Mamba soubesse que o pedido do antigo companheiro do tricampeonato do Los Angeles Lakers pudesse, de fato, ser realizado. Endiabrado, Kobe se aposentou anotando 60 pontos no Utah Jazz na noite desta quarta-feira (13) no Staples Center, em Los Angeles, e se despediu da NBA com vitória.

LEIA MAIS:

24 motivos para entender o que significa a aposentadoria de Kobe Bryant – parte 1

24 motivos para entender o que significa a aposentadoria de Kobe Bryant – parte 2

24 motivos para entender o que significa a aposentadoria de Kobe Bryant – parte 3

A festa começou antes de a bola subir na quadra do Staples Center. Um vídeo com um resumo da carreira de Kobe foi transmitido no ginásio lotado por 19 mil torcedores. Em seguida, Magic Johnson fez um discurso exaltando Bryant como o maior jogador da história dos Lakers e levou os fãs à loucura. O desfile de ídolos purple and gold não parou por aí. Mais um vídeo, desta vez com depoimentos de antigos companheiros e amigos de outras equipes, como Shaquille O’Neal, Derek Fisher, Dwyane Wade, Stephen Curry, Gregg Popovich, Metta World Peace, Pau Gasol, Lamar Odom e o ex-técnico Phil Jackson, foi passado para delírio do público, que gritou alto para cada estrela dos Lakers que aparecia.

Flea, baixista do Red Hot Chili Peppers e torcedor declarado dos Lakers, tocou o hino dos EUA no baixo. Depois disso, era hora de basquete.

Byron Scott planejou deixar Kobe Bryant em quadra por 36 minutos, descansando por seis minutos no segundo e quarto períodos. O time entrou com Bryant, D’Angelo Russell, Jordan Clarkson, Roy Hibbert e Julius Randle. Parecia que seria mais um típico jogo do Lakers das últimas temporadas, uma derrota. O time demorou cinco minutos para poder fazer a primeira cesta. Com o primeiro timeout do jogo, Kobe Bryant começou a dar mostras do que faria na noite histórica em Los Angeles.

Ele encerrou o primeiro período com 15 pontos e fechou o primeiro tempo com 22 dos 42 pontos do Lakers. O camisa 24 ficou no banco por boa parte do segundo período, quando o armador Marcelinho Huertas teve a chance de entrar em quadra. Pelo lado do Jazz, Raulzinho também pode curtir alguns minutos do jogo.

É bem verdade que Kobe Bryant aproveitou o fato de ser o dono da festa para segurar a bola mais do que nunca. Quase todas as jogadas passavam pela mão dele. No fim do jogo, foram 50 arremessos. Kobe fechou o terceiro período com 37 pontos.

Estava prestes a começar o último quarto da carreira de Kobe, doze minutos mágicos de basquete.

Começou com Marcelinho Huertas dando a assistência para a cesta de três pontos que faria Kobe Bryant atingir os 40 pontos na noite e tornar, assim, esta a melhor performance que ele teve em toda a temporada. Kobe se despede da NBA sendo um dos únicos na história, ao lado de Bob Pettit, a marcar 40 pontos ou mais em todos os times da liga. Apesar da atuação de Bryant, o resto do time não ajudava e o Utah Jazz segurava uma vantagem que flutuava entre os 7 e os 12 pontos (chegou a ser de 15). Kobe se mostrou irritado no fim do jogo, claramente desejando se despedir com vitória.

Faltava 1min46s para o fim do jogo, para a aposentadoria, quando Kobe Bryant anotou seu 51º ponto, sua melhor apresentação desde fevereiro de 2009. Neste momento, a atmosfera já era elétrica no Staples Center. O que acontecia ali já era diferente do que todos esperavam e do que havia sido as últimas temporadas de Bryant e do Lakers. Gritos de MVP, torcedores em pé, Jack Nicholson, depois de muito tempo, empolgado à beira da quadra, como se fosse 2002 novamente e Snoop Dogg alucinado.

Com um minuto no relógio, o Lakers (ou Bryant) havia reduzido a vantagem do Jazz para um ponto: 96×95. No minuto final, Kobe fez sete pontos – uma de três, um field goal e, no fim, ele anotou seu 60º ponto e a maior pontuação desta temporada da NBA com dois lances livres. O Lakers havia virado o jogo.

Mesmo tendo entrado em quadra já eliminado graças à vitória do Houston Rockets, o Utah Jazz parecia querer estragar a festa dos torcedores, que faziam muito barulho nos segundos finais de jogo. Com 14 segundos no relógio, o timeout do Jazz fez a equipe voltar atacando. Hayworth errou a cesta, a bola caiu nas mãos de Bryant, ele lançou para Jordan Clarkson, livre, enterrar e definir a partida.

Faltando quatro segundos, Kobe saiu de quadra ovacionado por torcedores comuns, ex-companheiros, jogadores, dirigentes, jornalistas e celebridades que agradeciam pela oportunidade de terem visto o último show da carreira de Kobe Bryant. O jogo terminou 101×96 para o Lakers, a 17ª vitória da franquia em sua pior temporada na história. Mas não era hora para se pensar nisso. Tudo era sobre Bryant.

O Mamba acabou jogando 42 minutos e ainda distribuiu quatro assistências e recuperou quatro rebotes. Foi sua maior performance em número de pontos desde os 61 anotados contra o New York Knicks em 2009. Foi o quinto jogo de maior pontuação em sua carreira. Literalmente, o canto do cisne de um dos maiores da história.



Mineiro. Nasci vendo futebol, cresci jogando basquete no videogame, handebol na quadra e nadando. Cultivei a barba acompanhando a NFL e a NBA. Quando possível, ia a Belo Horizonte ver de perto o Galo. Um sonho: Olimpíadas. Aos 46 do segundo tempo da Faculdade e querendo ralar que nem um cão nesse nosso Jornalismo de cada dia.