Irmão de Tite diz: ‘O não de Tite é para não trabalhar com quem dirige a CBF’

Tite
Tite - Corinthians. (Foto: Daniel Augusto Jr/ Agência Corinthians)

 

Em entrevista ao Uol Esporte, o irmão e conselheiro de Tite, Miro Bachi falou sobre sua última conversa com o irmão da qual falaram sobre CBF. Tite já havia negado o convite, mas foi desabafar com o irmão

Leia mais:

6 JOGADORES CRITICADOS PELOS CORINTIANOS QUE DERAM A VOLTA POR CIMA COM TITE

PARA PVC, CUCA É O TÉCNICO COM MAIS CHANCES DE BRIGAR COM TITE PARA SER O MELHOR DO BRASIL

“O não dele é para trabalhar com as pessoas que dirigem a CBF. É uma coisa bem direta e tudo isso envolve. Eles com um treinador no cargo e procurando ele? Isso é do futebol de 30 anos atrás, 40 atrás atrás. É malandragem, tchê. Não é mais assim. Pensam no poder. Me orgulho pelo não dele. É um não para trabalhar com essas pessoas, por esse lado escuro. Não se sabe o que está acontecendo, e ele está sendo procurado. Não pensam como ele, sobre o merecimento, sobre o trabalho, a competência e em procurar o melhor. Ganhar e perder também vai fazer parte”, disse Miro.

Além de associar o não do técnico do Corinthians, aos dirigentes da CBF e ao rumo que a instituição tem tomado, Miro Bachi diz que a CBF pensa com malandragem, jeito bem diferente de agir do seu irmão:

“É muito difícil dizer não para uma seleção brasileira. Ele nem sonhava (antigamente). O trabalho dele é que fez ele ser candidato e convidado. Desde criança, quando ele começou no futebol como jogador, como técnico, nunca imaginou chegar. É muito difícil dizer não a isso. É um sonho para qualquer um. Mas me orgulho muito da atitude dele e falei isso a ele. O Tite me provou ser uma pessoa diferente mais uma vez. Tudo que construiu na carreira, todo o jeito que ele trabalhou em toda a vida, não é o que os caras pensam na CBF. Os caras da CBF pensam diferente. É um jeito diferente, malandro…”, disse Miro.

O irmão de Tite também aproveitou para elogiar a índole do técnico, “Meu irmão é correção. O trabalho, a competência, perder e ganhar faz parte. Mas é muita coisa muito obscura. Quando ele decidiu que não iria, é um sentimento duplo. A frustração de dizer não, mas continuar com bons trabalhos.”

Apesar de outras pessoas próximas a Tite, disserem que pode ser uma decisão reversível, o irmão de Tite diz que não, a não ser que houvesse uma limpeza geral na CBF ou que o método de escolha do novo técnico seja por eleições diretas:

“Com certeza não tem mais volta. Se ele já disse não agora, a única maneira de trabalhar era uma mudança total de diretoria, total. Uma limpeza geral. Ele comentou uma vez, ‘vou pegar o representante dos jornalistas, dos clubes, dos atletas’ e fazer a escolha de um presidente para a CBF. Eleições diretas. A partir dali, se fosse convidado, ele iria. ”

Crédito da foto: Daniel Augusto Jr/ Agência Corinthians



Formada em jornalismo pelo Mackenzie, demorei anos para perceber que dá, sim, para ir atrás dos sonhos e trabalhar com o que se gosta: o esporte. Hoje me divido entre o esporte e a política. Nunca vou me conformar com os que dizem: "É só futebol.."