Especial Santos 104 anos: Meu ídolo esquecido não fala português

Molina
Crédito da Foto: Reprodução/YouTube

No mês de aniversário do Santos, que completou 104 anos nesta quinta (14), o Torcedores.com preparou um especial sobre ídolos esquecidos. O meu, no caso, não chegou a fazer tanta história com o manto alvinegro, mas, enquanto o vestiu, defendeu-o, como manda o hino, “dando o sangue com amor”. Estou falando de Mauricio Molina.

LEIA MAIS:
SANTOS TROCA DOIS NOMES NA LISTA DE INSCRITOS PARA FASE FINAL DO PAULISTA
DIEGO PARABENIZA SANTOS PELO ANIVERSÁRIO: “104 ANOS NA ELITE”
SANTOS ADERE À MODA E CRIA CONTA NA REDE SOCIAL SNAPCHAT

O colombiano chegou à Baixada em fevereiro de 2008 e deixou o clube rumo ao futebol sul-coreano no final de 2009. Durante esse período (segundo o Wikipedia), fez 78 partidas e 17 gols. Na Libertadores de seu primeiro ano no Brasil, foi um dos principais nomes que levaram o Peixe às quartas de final da competição.

Canhoto e com um chute preciso e potente, o meia também demonstrava muita garra e determinação dentro de campo. Sua infelicidade, talvez, foi não ter um time que o ajudasse como ele merecia. Seu principal parceiro nos dois anos de alvinegro praiano foi Kléber Pereira, a quem serviu em muitas oportunidades. Madson também foi outro bom companheiro, mas, convenhamos, Molina tinha direito a mais do que esses, com todo respeito e gratidão a ambos.

Veja um compliado dos melhores momentos de “Mao” Molina com a camisa do Santos:

Não bastasse tudo o que fez nos anos de Santos, o colombiano fez parte de um momento especial: foi ele quem saiu, em partida contra o Oeste, no Pacaembu, para que estreasse, com o manto alvinegro, um menino chamado Neymar. Relembre a ocasião:



Jornalista formado pelo Mackenzie (SP) e pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Multimídias pela Anhembi Morumbi (SP). Apaixonado por esportes desde 1994. Especialista de Santos e Futebol Inglês no Torcedores.com. Contato: fernando.amaral.pba@hotmail.com