Especial Kobe Bryant: carreira, títulos, história e despedida

Credito: Reprodução Facebook Oficial LA Lakers

“As vezes eu me pergunto o que a Faculdade teria sido, mas eu tomei a minha decisão”Kobe Bryant. É pela frase do próprio Kobe onde se começa a contar o triângulo amoroso entre Kobe, Lakers e a NBA.

Nascido em 23 de agosto de 1978 (37), na Filadélfia, Pensilvânia, Kobe é filho do também jogador de basquete Joe Bryant (Philadelphia 76ers, San Diego Clippers e Houston Hockets) e, foi “draftado” (escolhido) no ano de 1996 pelo New Orleans Hornets, sendo imediatamente negociado com o Los Angeles Lakers, franquia pela qual o astro atuou por 20 anos.

Para entender um pouco mais sobre a relação da NBA com seus ídolos, devemos voltar no passado. Fundada em Nova York em 06 de Junho de 1946, como “Basketball Association of America “(BAA), a liga adotou o nome de “National Basketball Association”  apenas em 1949 quando se fundiu com a rival “National Basketball League”(NBL).

Desde a criação da liga o elo entre ídolos e o esporte sempre foi muito forte. Sendo inclusive a valorização dos ídolos um dos lemas da NBA.

Uma das tradições da liga é a de aposentar o número das camisas. A ideia surgiu em 16 de Outubro de 1963, quando o então dirigente e fundador do Boston Celtics, Walter Brown que aposentou as camisas 14 e 22, pertencentes a Bob Cousy e Ed. Macauley. Brown inclusive foi um dos que teve “sua camisa” pendurada, mesmo nunca tendo arremessado uma bola sequer, ele foi homenageado com o número “1” pela franquia de Massachusetts.

Bill Russel, Kevin McHale, Karrem Abdul Jabbar, Magic Jhonson, Michael Jordan, Larry Bird, Shaquile O’neal são clássicos exemplos de atletas que marcaram época e que tiveram suas camisas aposentadas, ou seja, nas respectivas franquias, ninguém mais além dos atletas homenageados podem usar tais números imortalizados. Até os dias atuais, 149 astros já tiveram seu vestuário eternizado. A homenagem funciona assim: quando um craque das quadras encerra a carreira, a camisa com que ele se consagrou é retirada da lista do time.

Kobe Bryant ainda não teve sua camisa pendurada, mas, com certeza terá. Com o final da temporada regular atual o craque dos Lakers se despediu das quadras e os fãs aguardarão ansiosamente ao anúncio da aposentadoria de seu manto pela franquia de Los Angeles.

A discussão sobre a aposentadoria da camisa do craque ainda deve render, isto porque Kobe fez história na franquia de Los Angeles utilizando dois números diferentes. Em seus primeiros dez anos de carreira o ídolo utilizou a camisa “8”, conquistando oito participações em All-Star Games, sendo eleito por duas vezes o MVP (Jogador mais valioso), participou de quatro finais e ganhou três títulos.

Já com a atual camisa, a “24”, Kobe também possui números expressivos. São dez temporadas com um MVP da temporada regular, nove participações em All-Star Games sendo duas vezes o MVP do evento. Kobe ainda conta no currículo com mais três finais, dois títulos e eleito por duas vezes o MVP da temporada regular.

Além de vários prêmios individuais, Kobe é detentor cinco títulos da NBA, sendo um dos jogadores mais vitoriosos da liga. Aliado ao seu sucesso na equipe de Los Angeles, está também seu excelente desempenho na seleção norte-americana de basquete onde foi Bicampeão Olímpico (2008 e 2012) e Campeão Mundial (2007).

Entre outros recordes de Kobe algumas marcas se destacam. Ser o jogador mais jovem a disputar um All-Star Game com 19 anos e 169 dias; fazer oitenta e um pontos no jogo contra o Toronto Raptors, no dia 22 de janeiro de 2006, consolidando a marca como a segunda maior pontuação feita por um jogador em um jogo na historia da liga. Bryant também tem o recorde da NBA de bolas de três em um único jogo: doze; tornou-se o jogador com mais pontos na história do Lakers, superando Jerry West. É o atleta com mais temporadas jogadas por um único time totalizando 20. Além de tudo isto, ele é o terceiro maior cestinha da NBA e o único jogador com mais de 30.000 pontos e 6.000 assistências na historia da Liga.

Em novembro de 2015, Kobe Bryant assinou um artigo publicado no site “The Players Tribune” site criado por Derek Jeter, ex-jogador de beisebol, que defendeu o New York Yankees em toda a sua carreira, para ser um canal direto entre os atletas e o público. – confirmando o adeus às quadras após vinte anos.

No texto de anuncio da despedida do esporte ele lembra toda a relação com o basquete, desde as brincadeiras com as meias de seu pai, Joe Bryant, até a realização de seu sonho de criança, quer era jogar a NBA. “Você realizou o sonho de um menino de seis anos de ser um Laker. E sempre vou te amar por isso. Mas não posso te amar obsessivamente por muito tempo. Esta temporada é tudo que me restou para dar. Meu coração pode manter a batida, minha cabeça pode lidar com a rotina, mas meu corpo sabe que está na hora de dizer adeus” – escreveu Bryant.

Após o anúncio de sua aposentadoria uma série de homenagens vem sendo realizadas em quase todos os ginásios por onde Kobe pisa, e até mesmo por torcedores rivais. Após divulgar sua carta de despedida ao esporte, um torcedor do Boston Celtics – maior rival dos Los Angeles Lakers – também resolveu escrever uma carta, e o destinatário era, Kobe Bryant. Seu nome é Jonathan Jacobsen, escritor do blog “Tommy Point”, e em seu relato o torcedor mencionou o título do Celtics sobre os Lakers em 2008 e a doída revanche dos Californianos em 2010. Ao final Jonathan agradeceu a Kobe e declarou “Portanto, antes de ir, eu queria apenas dizer muito obrigado por ser muito mais do que apenas um grande jogador de basquete. Para um geração toda de fãs, você é o basquete. Não acredito que estou dizendo isso… mas eu vou sentir muito a sua falta. Com amor (e ódio) de você sempre, um fã dos Celtics que não soube apreciar o suficiente”.

A sensação de não mais ver em ação um ídolo, parece sensibilizar a todos, de modo que até os mais ferrenhos rivais se rendem ao talento do “Black Mamba”. Kobe foi ovacionado em Atlanta, pela torcida dos Hawks, quando rodou no telão do ginásio um vídeo em homenagem a sua carreira. Recebeu placa com um pedaço da quadra em Boston, foi vaiado, aplaudido e no fim, foi decisivo.

Homenagem maior ao astro aconteceu no domingo do jogo das estrelas 2016 em Toronto. O astro foi o centro das atenções e recebeu diversos agradecimentos e reverências pela grandiosa carreira. Ao final do evento, declarou: “Eu quero agradecê-los por todo o apoio, em todos esses anos. Sou incrivelmente sortudo de ter tido a chance de jogar o esporte que amo e passar mais de metade da minha vida na NBA. É uma emoção estar aqui e ter a oportunidade de atuar ao lado desses jovens, que tinham a idade das minhas filhas quando comecei a jogar. Obrigado!”

Ontem (13), em seu espetáculo final, Kobe deu show. Contra o Jazz ele marcou 60 pontos e foi decisivo para o Lakers conseguir a vitória no último minuto. Ao final da partida Kobe declarou: “Obrigado a todos pelo carinho. Foi inesquecível. Vocês moram no fundo do meu coração. Muito obrigado por tudo o que vocês fizeram. Não só hoje como em toda a minha carreira. Um final perfeito seria com um campeonato. Mas essa noite voltando a jogar bem e proporcionando pela última vez um momento assim a todos me deixa muito feliz” – disse o astro, que, segundo o globoesporte.com, se tornou o jogador mais velho da NBA a pontuar mais de 50 pontos em uma partida.