E.C. São Bernardo estreia contra o Guarulhos na Segunda Divisão Paulista

Crédito da Foto: Reprodução/Facebook E.C. São Bernardo

No próximo final de semana, começa o Campeonato Paulista da Segunda Divisão. O E.C. São Bernardo inicia sua campanha na Bezinha, contra o A.D. Guarulhos, no estádio Baetão, no sábado (16), a partir das 15h00. Após bater na trave na temporada passada, o Cachorrão tenta o acesso à Serie A-3, com uma equipe formada por jogadores que permaneceram no elenco, além de parcerias com os clubes da região.

 

LEIA MAIS:

 

Segundona: E.C. São Bernardo se prepara para iniciar o estadual

 

Fundado em três de fevereiro de 1928, o E.C. São Bernardo é um dos clubes mais antigos da região e desde o seu retorno ao futebol profissional em 2010, tem feito boas temporadas na Bezinha, mas ainda não conquistou o acesso.

Em 2016, o Vovô do ABC busca desempenho parecido com o da temporada anterior, quando quase chegou à fase decisiva, que garantia vaga na A-3 do estadual.

A equipe segue em ritmo intenso de preparação, como conta o técnico do time Éder Silveira, em entrevista ao Torcedores.com.

“Trabalhamos muito a posse de bola e a marcação forte para a recuperação da bola. Buscamos recomposição rápida e a transição entre defesa, meio e ataque em velocidade. Ter um time bem compactado, hoje em dia é essencial para uma equipe de futebol”, avaliou Éder.

O treinador, chegou ao clube em 2015, após a saída de Ricardo Costa, para o Mirassol.

Éder possui passagens como treinador por Joseense, Itapirense, Grêmio Barueri e todas as categorias de base do Atibaia. Trabalhou nos Estados Unidos no Savannah Celtica, além de ter sido auxiliar técnico no Guarani/MG e Velo Clube.

Confiante com o acesso em 2016, Éder Silveira prega cautela e diz que o time precisa primeiro pensar na classificação, para ter o acesso como consequência.

Silveira também avalia a relação e o bom convívio com seus jogadores, como fatores primordiais para uma temporada produtiva, com bons resultados.

“É fundamental ser honesto nas decisões a serem tomadas com os atletas. Procuro ser o mais transparente possível na hora de escolher os 11 que iniciam o jogo, além dos sete como opção no banco”, concluiu o treinador.