Crônica: Valeu demais, Kobe

Reprodução/Facebook

Dia 13 de abril de 2016, é hoje, passou rápido; quase que imperceptível. Só sei que poderia demorar mais. Já adianto que o assunto é triste e para muitos vai ser inesquecível, Kobe Bryan vai aposentar-se. Black Mamba creio que você não saiba e nunca vai saber… Você me apresentou o Basquete, me ensinou a gostar desse esporte, o primeiro nome de jogador americano que aprendi a falar, sou Lakers de coração por sua causa; nas brincadeiras com uma bolinha e um lixo eu era você, por isso não aguardo sua despedida, eu aguardo mais um jogo que vou ver você jogar. PRA MIM: VOCÊ É O BASQUETE!

 

LEIA MAIS:

WARRIORS X GRIZZLIES: SAIBA COMO ASSISTIR AO JOGO AO VIVO NA TV
NBA DEVE TER ATLETA DE QUASE 2,30 METROS NA PRÓXIMA TEMPORADA
O QUE VER NA ÚLTIMA SEMANA DA TEMPORADA REGULAR DA NBA

 

Isso tudo só uma lenda consegue fazer, um ídolo de verdade. 20 temporadas jogadas por uma única franquia, algo raro! 1280 jogos em 1132 o ala foi titular. Nesse tempo todo, eu confesso e lamento, não acompanhei nem metade destas partidas. Porém, em todas as conquistas – 5 vezes campeão da NBA – eu estava lá, do seu lado e ao mesmo tempo a milhares de quilômetros de distância. Desculpe, não sou seu ‘’fã número 1’’, mas, nos momentos mais emocionantes, eu vibrei! Quando você perdeu a Final para o Boston em 2008, lamentei.

Eu estou passando por uma crise: eu quero me desculpar, por não ter acompanhado tanto a sua carreira, eu quero evidenciar a felicidade que você proporcionou a mim e milhares de pessoas no mundo. Você é um ícone de uma geração. Acho que no final das contas só quero agradecer, obrigado Kobe por ser meu ídolo pessoal, por fazer aqueles milagrosos pontos no final do jogo, grato pelos 81 arremessos convertidos contra o Toronto Raptors, e o meu maior agradecimento a semifinal contra o Phoenix Suns e a final de 2010, contra os Celtics, essas foram pra mim as suas maiores demonstrações de talento dentro das quadras.

Talvez você não fique muito feliz com o que vou dizer, mas, a melhor dupla que você já teve foi o ‘’gordo’’ Shaquille O’Neal. Cara, como vocês jogavam juntos, o jogo de vocês era um espetáculo. Até hoje não vi nenhuma parceria igual, sério. Era cada jogada de encher os olhos e, quando vocês dois praticamente sozinhos acabaram com os Blazzers, sério aquele jogo íamos perder, vocês foram monstruosos, e aquela ponte aérea para o Shaq no final da partida. Foram três troféus, não ? Em 2008, Paul Gasol chegou ao Lakers,vocês foram incríveis e conseguiram a vingança na Final de 2010 contra nossos arquivais.

2013/2014 foi um ano difícil para todos nós, tendão de Aquiles complicou nossa temporada. Ouvi você dizer que foi sua pior fase no Basquete. Oito meses sem você, foi difícil para todos. Mas, lembra-se que logo após seu retorno as quadras bateu aquele recorde ‘’bobo’’, só passou Michael Jordan e tornou-se o terceiro maior pontuador da história da Liga. Só isso. São conquistas extraordinárias, para sempre guardadas.

Ao fim da partida contra o Utah Jazz, no Staples Center, em Los Angeles, você vai deixar todos nós órfãos, minha referência no basquete, sem você com a camisa amarela e roxa não sei nem qual time jogar no game da NBA. Sonho mesmo seria você jogar mais 20 anos, que você viesse ao Brasil nas Olimpíadas, já pensou? Porém, que tipo de saudosista eu sou, que não deixo você ir, declaro o meu amor pelo basquete de maneira emocionante, você deixará mais que saudade, um legado seu foi criado. Alguém pensa que depois do anúncio da sua aposentadoria os aplausos por onde você passou foi à toa. O TD Garden, casa do Celtics, nosso maior rival; ovacionaram sua trajetória, suas conquistas, ovacionou você camisa 24, esse deve ser o maior reconhecimento que um atleta pode ter. Você ainda vai ser merecedor de muitas homenagens, essa é a minha, não sei como explicar o que é esse texto, não ao menos sei dizer se está compreensível, dito que meu sentimento sobrepôs qualquer raciocínio lógico.

Desde quando chegou ao Lakers, ao primeiro título em 2000; 2008 MVP, todos sabiam você era diferente, especial, espero que hoje não seja a última vez que eu ouça:

‘’ The black mamba, this is Kobe Bryant’’

 

 

Na sua carta de despedida, você foi novamente mágico: ‘’ Nós podemos dar um ao outro tudo o que ainda temos. E nós dois sabemos, não importa o que aconteça. Eu sempre serei aquela
criança, com as meias enroladas, a cesta de lixo no canto, cinco segundos no relógio…Bola em minhas mãos; 5… 4 … 3 … 2 … 1, Sempre te amarei.’’

Obrigado Kobe Bryant por existir e me ensinar tudo, tudo, tudo. 5…4…3…2…1, sempre te amarei.

Joe Nunes, o cara que conheceu o esporte da bola laranja por sua causa.

#thankyoukobe.

 

 

Curtiu a matéria? Siga o autor no Twitter: Jooe10show
Facebook: Joen10