Brasileiros pelo Mundo: conheça o futebol em Aruba, onde joga o meia Claudeone

Champions League
Getty Images

Já imaginou morar num dos paraísos naturais da terra e ainda ganhar dinheiro fazendo o que gosta? Esta é a realidade do meia Claudeone.

LEIA MAIS:
ESTÁDIO EUROPEU X SUL-AMERICANO: VEJA CINCO PRINCIPAIS DIFERENÇAS

Cristiano, que desde 2010 joga no futebol de Aruba, ilha caribenha famosa por ter as praias mais lindas do mundo. Em dez respostas, o paraense conta como é sua vida de sonhos. Bem diferente da dura realidade que convivia no Pará, com atrasos salariais e dirigentes amadores..

  1. Como você foi parar aí (Aruba)?

Claudeone C. : Eu estava disputando  a segunda divisão do Campeonato Paraense pelo Bragantino em 2010, sob o comando de Nélio Pereira e Pery. Quando apareceu a oportunidade de vir para Aruba, não pensei muito, pois o futebol paraense não estava em bom momento, pois eu assinava contrato e não recebia. Então decidi vir para cá e fui jogar na equipe do Deportivo Nacional.

Quais os pratos típicos e seu cardápio diário no clube? Levou o açaí e farofa de Belém?

C.C: As comidas típicas daqui são sopa de camaleão, cuscuz de milho e sopa de quiabo com camarão. O cardápio do clube é balanceado, com muito carboidrato (arroz, macarrão e feijão) e proteína (carne). Sempre que vou a Belém trago tudo o que posso de açaí e farinha, às vezes até jambú também!

Da para receber em dólar? Qual a moeda dai?

C.C:  Aqui recebo em Florin, a moeda local, mas o dólar também manda aqui.

Qual protetor você usa para pegar sol? Fator 50?

C.C: Uso direto protetor solar, por que o ano inteiro tem sol forte. Uso a marca Clinique for Man no último nível, que é o 50, para não ter riscos de queimaduras.

E como você se comunica? Domina o inglês ou língua nativa?

C.C: Me comunico com vários idiomas, até porque aqui e uma ilha turística e possui quatro línguas oficiais, que são inglês, espanhol, holandês e o Papiamento, que é a língua local deles. Desses o único que não consegui aprender ainda foi o holandês.

Você algum dia imaginou jogar em Aruba? Qual foi a primeira coisa que você pensou ao chegar no pais?

C.C:  Sempre sonhei em jogar fora do brasil como todo jogador sonha, mas nunca pensei em jogar aqui em Aruba. A primeira coisa que pensei ao chegar aqui foi treinar forte e ir pra frente, pois tinha o objetivo de ajudar minha família. Agradeço a Deus todos os dias por esta oportunidade. Nunca estive tão feliz.

Como é o nível técnico dos jogos aí? Você se destaca dos demais por ser brasileiro?

C.C: O nível técnico aqui é bom, até porque tem jogadores de muitos países aqui, mas a força também esta prevalecendo, como em quase todos os campeonatos pelo mundo. Eu posso dizer que me destaco dos jogadores daqui, tanto na técnica como no preparo físico.

Já pensou em jogar na seleção dai?

C.C: Já pensei sim, mas amo minha pátria, sou fiel ao meu país.

Pensa em ficar mais tempo ai ou jogar em  outro lugar?

C.C: Quero muito jogar em outro pais, chegar mais longe no futebol, mas hoje estou casado com uma esposa maravilhosa e pretendo juntar dinheiro para montar meu próprio negócio no Brasil.

      1. Você mora num dos paraísos naturais do planeta. Muita gente gostaria de estar no seu lugar. Você aproveita o país? Vai muito à praia?

C.C: Moro em um paraíso tropical que tem as praias mais bonita do mundo. Sei que muita gente queria estar no meu lugar. Mas aqui não aproveito muito as praias até porque já virou rotina para mim. Curto muito sair com minha esposa para o cinema, sair pra comer em um bom restaurante.

Plus: Sem sair do muro. Remo ou Paysandu?

C.C: Sou remista. Um dos meus maiores sonhos é poder vestir a camisa do Clube do Remo um dia. Mas aceitaria também um convite do Paysandu na hora (risos).