África do Sul teve sorte ao cair no grupo do Brasil, diz técnico

Divulgação/Site oficial SAFA

O técnico da seleção sub-23 da África do Sul, Owen da Gama, ficou satisfeito com sorteio dos Jogos Olímpicos de 2016. Segundo o sul-africano, ter caído na mesma chave que o Brasil foi um sinal de sorte.

LEIA MAIS:

Rival do Brasil, África do Sul se anima com sorteio da Rio 2016

Rio 2016: Conheça os adversários do Brasil no futebol olímpico

Brasil conhece seus primeiros adversários na busca pelo ouro inédito no futebol

As duas equipes estão no grupo A do futebol masculino, que também contará com Iraque e Dinamarca. Por sinal, os Bafana Bafana farão o jogo de abertura da competição contra os brasileiros. A partida está marcada para o dia 4 de agosto no Estádio Nacional de Brasília.

“Fiquei muito feliz com o sorteio. Ele me lembrou da Copa Africana de Nações Sub-23, na qual enfrentamos os donos da casa e os eliminamos. Talvez seja um sinal de sorte para nossa equipe”, disse ao site da revista sul-africana “Kick Off”.

Da Gama se referia ao torneio disputado em 2015 que definiu os três representantes da África nos Jogos do Rio. A África do Sul enfrentou o anfitrião Senegal na disputa pelo terceiro lugar e venceu nos pênaltis, carimbando o passaporte para o Brasil. Nigéria e Argélia garantiram suas vagas ao avançarem para a final da CAN Sub-23.

Em relação ao duelo contra o Brasil, o técnico sul-africano acredita que sua equipe entrará em campo mais tranquila que o adversário.

“Não existe sorteio fácil, pois todos os adversários são difíceis. Não poderíamos ter escolhido um oponente melhor para o jogo de abertura porque toda a pressão estará sobre o Brasil, o dono da casa”, afirmou.

Jogar contra a seleção brasileira não é uma novidade para os sul-africanos. As equipes se enfrentaram no final de março, em amistoso na cidade de Maceió. Segundo da Gama, a derrota por 3 a 1 não abalou os seus comandados.

“Enfrentar o Brasil nos dá confiança e muita motivação para encarar esta competição. Felizmente, nos enfrentamos no mês passado. Mesmo perdendo o jogo, deu para conhecer as suas características. Isso não significa que será fácil para nosso time, ainda temos muito trabalho pela frente”, disse.

Apesar de toda a atenção que o confronto com o Brasil desperta, Owen da Gama também se preocupa com os outros adversários do grupo.

“Não quero desmerecer de nenhuma forma as seleções de Iraque e Dinamarca. São duas equipes muito boas. Para passar de fase, precisamos nos preparar com muito cuidado para enfrentar todos os adversários”, concluiu.

Após o duelo contra o Brasil, os Bafana Bafana enfrentarão a Dinamarca, no dia 7 de agosto, em Brasília. Em seguida, será a vez de encarar os iraquianos, dia 10, em São Paulo.