Por onde anda? Danrlei, dos gramados à política brasileira

Grêmio
Foto: Divulgação/Grêmio FBPA

As luvas deram lugar ao terno e gravata. As entrevistas agora não são mais feitas dentro de campo: os jornalistas que quiserem falar com Danrlei de Deus Hinterholz devem procurá-lo em seu gabinete de Deputado Federal. O eterno ídolo gremista e representante máximo do período dourado da década de 90 do time virou político. Em 2010, elegeu-se, pela primeira vez, Deputado Federal pelo Rio Grande do Sul.

A sua brilhante trajetória no Grêmio avalizou sua entrada no congresso. Em 2010, de forma surpreendente, foi o quarto candidato a deputado mais votado no Rio Grande do Sul, com 173.789 votos. Já nas eleições de 2010, Danrlei manteve a boa média e se elegeu sem maiores dificuldades para o mesmo cargo. Alcançou um total de 158.973 votos.

Aos 42 anos, entre um despacho e uma agenda oficial como parlamentar, Danrlei certamente olha para trás e sente orgulho de uma carreira absolutamente vitoriosa. Só no Grêmio foram 594 partidas – o que até deu a ideia de uma volta aos gramados para cumprir mais seis jogos e arredondar o feito. Pelo tricolor, o goleiro colecionou títulos importantes como a Libertadores de 1995 e o Brasileirão de 1996. Foi o personagem mais significativo de uma era em que o Grêmio vencia e o Inter perdia.

Saiu do Grêmio em 2004, após um atrito com o ex-companheiro de clube e então técnico Adilson Baptista, que o barrou da titularidade um ano antes. Na sequência da carreira, Danrlei foi jogar no Fluminense, sem o mesmo sucesso. Depois de atuar pelo Atlético-MG e em Portugal, disputou alguns estaduais por São José e Brasil de Pelotas antes de pendurar as luvas e dedicar-se à política.

Em 2009, no seu último ano de profissional, Danrlei vivenciou o trágico acidente do ônibus do Brasil de Pelotas, no início de janeiro, após um amistoso de preparação para o Gauchão. O goleiro integrava o elenco do clube e sobreviveu ao acidente, que vitimou o grande ídolo Claudio Millar, o zagueiro Régis e o preparador de goleiros Giovani Guimarães. No instinto, minutos após a fatalidade, Danrlei foi o que mais ajudou os outros companheiros a saírem do ônibus e ganharem sobrevida. Surgia, ali, o Danrlei capaz de auxiliar os outros. A política agora, é, de fato, o seu lugar.

 



Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Fã de esportes, sobretudo tênis. Colorado por paixão, jornalista por vocação e tenista por opção.