Andrés Sanchez revela o motivo de não ter demitido Tite em 2011

Tite
Reprodução/Twitter

Andrés Sanchez é um dos dirigentes mais polêmicos – e sinceros – do futebol brasileiro. Presidente do Corinthians em um dos momentos mais difíceis da história do clube, com a queda para a Série B do Campeonato Brasileiro, foi também na sua gestão que o Timão deu a volta por cima e se revolucionou.

LEIA MAIS:
VIDEO: JOGADOR DA 4ª DIVISÃO É AGREDIDO DE MANEIRA BRUTAL DENTO DE CAMPO
EX-VICE DO FLUMINENSE DESTACA MODELO FINANCEIRO DO CLUBE: “PAGA EM DIA”
NOVO AFFAIR DE BUTTON CHAMA A ATENÇÃO POR FOTOS SEMINUAS NA WEB
ANDRÉS SANCHEZ CRITICA CORRUPÇÃO NO BRASIL E NO FUTEBOL: “SE ROUBOU MUITO”

Tendo contratado Mano Menezes para participar dessa reestruturação e Tite, a partir de 2010, para guiar o Corinthians na missão de alcançar objetivos maiores, foi com o atual melhor treinador do Brasil que Andrés viveu o momento que, para muitos, foi determinante para o sucesso o Alvinegro Paulista: a manutenção do treinador após a eliminação na Pré-Libertadores da América em 2011.

Na 3ª edição do Footlink teve início nesta segunda-feira (14), no Rio de Janeiro, com a proposta de discutir o futuro do futebol nos próximos 10 anos, O ex-presidente do Corinthians participou de uma discussão sobre o esporte ao lado de Mario Bittencourt, ex-vice-presidente do Fluminense, Carlos Eduardo Pereira, presidente do Botafogo e Alírio Moraes, presidente do Santa Cruz e mediado por Monique Danello. Em dado momento, ele falou sobre os motivos que o fizeram não demitir Tite naquela altura:

“Primeiro: ele (Tite) não tinha culpa, não foi ele que montou o time; segundo: ele era caro. Ele não acreditava (que ia permanecer). Estava com as malas prontas e disse: ‘Mas eu não vou embora?’. Aí eu disse: ‘Não e trate de ganhar, porque se não, você é burro e eu mais burro ainda”.

Crédito da Foto: Reprodução / Twitter