Ana Marcela e Poliana falam à imprensa sobre ótima fase

Crédito da foto: Reprodução/ Facebook oficial Poliana Okimoto

Esta quarta-feira foi movimentada na piscina da Universidade Santa Cecília (Unisanta), no Boqueirão, em Santos, com a presença das duas melhores maratonistas aquáticas do Brasil. Ana Marcela Cunha e Poliana Okimoto concederam uma entrevista coletiva à imprensa, onde falaram de sua preparação para os Jogos Olímpicos do Rio e de sua excelente fase. Ambas voltaram de uma grande participação na etapa de Abu Dhabi da Copa do Mundo da modalidade, com Poliana em segundo e Ana em terceiro, superadas apenas por Aurélie Müller (FRA).

LEIA MAIS:
10 curiosidades sobre as Olimpíadas: números e fatos do Rio 2016

No início da coletiva, o presidente do Complexo Educacional Santa Cecília, Marcelo Teixeira, elogiou as duas: “Se eu pudesse, eu dividiria a medalha de ouro no meio, entre uma e a outra. Mas as duas estarão no pódio, na Olimpíada”.

Teixeira ainda falou do potencial das duas para dar alegrias aos brasileiros nos Jogos: “É um objetivo audacioso e que está muito perto de ser alcançado. Tivemos essa etapa importante em Abu Dhabi, que reuniu oito das dez atletas que estarão nas olimpíadas, e o pódio foi praticamente todo brasileiro. Então, é uma expectativa muito positiva. As duas estão muito determinadas, a estrutura está voltada para que haja uma preparação adequada e elas cheguem muito bem nas provas no Rio. Acredito que os passos e as braçadas que estamos dando sejam muito firmes e decisivas”.

Muito foi perguntado sobre a rivalidade entre as duas, mas Poliana ressaltou que ambas são amigas: “Sou amiga de Ana Marcela desde 2006, e viajamos juntas muitas vezes durante o ano, para competir”. Mas Ana endossou que amigas, amigas, competições à parte: “Na hora de competir, cada por um si, não importa quem estiver do lado”.

“Estamos treinando muito, eu dou mais de 200% do que eu posso nos treinos. Quanto à pressão, eu estaria mentido se dissesse que não sinto isso, é natural”, disse Ana Marcela.

As duas atletas ressaltaram ainda o apoio dos familiares nos treinos e competições. Poliana explicou que só mora em São Paulo porque os pais ainda estão lá, enquanto Ana explicou que o apoio dos pais a fez regressar à Unisanta.

O marido e técnico de Poliana, Ricardo Cintra, falou que, pelo fato de Poliana ter sido campeã brasileira muito nova é essencial para enfrentar as pressões das competições: “ela foi campeã do Troféu Brasil em 1998, com 14 anos. Acho que o sobrenome dela é pressão”, disse.

Na entrevista estiveram presentes, além de Teixeira e Cintra, Gerson Piazan (que representa Márcio Latuf, em Orlando para acompanhar Matheus Santana na etapa de Orlando da Arena Pro Swim Series), a reitora e a presidente da Unisanta, respectivamente, Sílvia Teixeira Penteado e Lúcia Teixeira, o Secretário Municipal de Esportes, Alcídio Mello (Cidão) o Presidente da Fundação Pró-Esporte de Santos, Paulo Miashiro e a Coordenadora de Natação da Unisanta, Rosa do Carmo José.