Santos mandará dois jogos no Pacaembu: diversificação é acerto do clube

O Santos acerta ao entender a particularidade da questão e adotar uma solução que possa intensificar o seu relacionamento com a sua torcida.

Dois jogos no Pacaembu do Santos foram confirmados pela Federação Paulista de Futebol – FPF. Serão os jogos com o Mogi Mirim (28/02) e com o Água Santa (12/03). A partida diante do Corinthians (06/03) foi confirmada para a Vila Belmiro. Santos acerta.

 LEIA MAIS

Muito mais do que Santos x Globo: futebol brasileiro está em xeque

Opinião: Santos acerta ao dizer “NÃO” à Globo e fechar com Esporte Interativo

Opinião: com competitividade, futebol brasileiro pode reascender

Santos desafia Globo, por que se calam os demais?

O Santos irá ao Pacaembu em duas oportunidades, é o que a FPF confirmou ao divulgar o mando de jogos das próximas rodadas do Campeonato Paulista. Contra o Mogi Mirim, na 6ª rodada, e contra o Água Santa, na 9ª rodada, o alvinegro praiano irá ter como palco para os seus jogos o Pacaembu. A mudança está inserida dentro de um contexto que já destacamos no texto Opinião: público na Vila em sábado de carnaval preocupa. Na ocasião, falamos sobre o impasse vivido pela diretoria diante da dicotomia relacionada ao bom desempenho do Santos na Vila Belmiro e à baixa arrecadação. Contra o Ituano, 5.501 pagantes (renda de R$215.590,00) presenciaram a vitória santista na 3ª rodada do Paulistão, na Vila Belmiro. Em 2015, a média de público do Santos no Campeonato Paulista foi de 9.752 pagantes, totalizando uma arrecadação de R$ 4.709.670,00. Com o mesmo número de jogos do Santos, o Palmeiras liderou a média de público e a arrecadação no Paulistão de 2015: foram, em média, 28.913 pagantes e R$ 23.325.940,00 arrecadados.

Ao diversificar seus mandos de jogos, o Santos atua em duas frentes, a primeira se refere a melhoria na arrecadação. Para se ter uma ideia, no último jogo disputado pelo Santos no Pacaembu, contra o Figueirense, pelas quartas de final da Copa do Brasil, o público foi de 25.930 pagantes, totalizando R$ 1.281.485,00 de renda. O valor arrecadado em apenas um jogo corresponde a mais de um quarto (27,2%) do total arrecadado em toda a edição do Campeonato Paulista de 2015. O outro ponto, e não menos importante, atende a necessidade de capilaridade do clube em um ponto de concentração da torcida santista. Como já analisamos em texto sobre a capacidade de consumo da torcida, estimamos que 64% da torcida santista se localiza no estado de São Paulo. Desses, em um cenário positivo* para a baixada santista, 14,29% dos torcedores estão nessa região, enquanto 39,35% estão na Região Metropolitana de São Paulo e 46,37% espalhados pelas diversas cidades do interior paulista. A posição geográfica da cidade de São Paulo e a sua logística angariam os torcedores da região metropolitana e também facilitam o acesso dos torcedores do interior.

O Santos acerta ao entender a particularidade da questão e adotar uma solução que possa intensificar o seu relacionamento com a sua torcida, valorizando também os torcedores mais afastado da sede, bem como de áreas de grande concentração. Essa aposta pode se traduzir não só em uma maior arrecadação, mas também em uma maior captação de sócios. Com laços mais estreitos, é de se esperar ainda que os torcedores consumam mais. Resta saber se a diversificação de mandos será feita de modo estruturado e regular e com ações de comunicação e marketing que estimulem uma maior adesão. Com o investimento em sua própria torcida, o Santos poderá ter uma forma sustentável de captação de recursos.

*Financeiro x oportunidades: como o Santos pode explorar a capacidade de consumo de sua torcida

Crédito da foto: Reprodução/Flickr