Paulistão: Entenda o borderô dos jogos da competição

Crédito da foto: Reprodução/Facebook oficial da FPF

Ao final de cada rodada do Paulistão, a Federal Paulista de Futebol (FPF) divulga em seu site oficial o Boletim Financeiro, o popular borderô, das partidas disputadas. O documento, assinado por representantes dos dois clubes envolvidos, discrimina uma série de informações relacionadas ao dinheiro gerado pelo jogo e, tal qual a súmula do árbitro, traz algumas informações interessantes.

LEIA MAIS:
Veja a classificação completa do Campeonato Paulista 2016

Ferroviária e Corinthians jogaram pela 6ª rodada do Paulistão (o placar ficou em 2 a 2). A arrecadação total chegou a R$ 474.960,00, mas alguns “descontinhos” foram realizados. O primeiro deles é o “seguro público pagante – FPF”, no valor de R$ 231,00. Procurada sobre o significado dessa dedução e onde o dinheiro é aplicado, a Assessoria de Imprensa da Federação Paulista não quis se pronunciar.

Outras deduções também são realizadas. 5% para o INSS e outros 5% (R$ 23.748,00) para a FPF. Há também um valor de R$ 4.749,00, correspondente a 2% da renda, destinado ao Fundo de Valorização e Desenvolvimento. Instituída em 2016, essa taxa “tem a finalidade de incentivar projetos de marketing e desenvolvimento dos clubes filiados”, alegou a FPF em nota a para a ESPN.

As deduções prosseguem, dessa vez relacionadas às despesas de ordem operacional. Assim, são pagos os exames antidoping (mais de R$ 5,5 mil) e emissão de ingressos (pouco mais de R$ 10 mil).

Já a segurança nos estádios, ao menos pelo borderô, tem funções bem específicas. Para fiscalização foram destinados R$ 3,4 mil, monitoramento de torcidas mais R$ 1,6 mil, orientadores e fiscais receberam ao todo R$ 4,2 mil e, por fim, o Policiamento abocanha cerca de R$ 39 mil.

Como mandante, a Ferroviária ficou com 100% da renda líquida da partida. Os R$ 474.960,00 se transformaram R$ 351.774,51. Nada mal para um jogo de 90 minutos.



Mídias Sociais da AS Roma Brasil, MBA em Gestão Estratégica de Negócios, blogueiro desde 2007 e radialista amador. Escreve sobre futebol italiano, automobilismo e o que aparecer, mas gosta mesmo é de contar boas histórias