Parte II: Saiba tudo sobre o Combine

Crédito da foto: Reprodução/ Facebook oficial NFL

Como explicamos no capítulo anterior, o NFL Scouting Combine é o evento em que as equipes da National Football League tem a oportunidade de observar de perto os jogadores vindos do futebol americano universitário e avaliar a performance destes atletas. Hoje, no capítulo final, é hora de explicar o que acontece durante o evento.

O site da NFL chega a igualar o Combine a uma ‘entrevista de emprego’ e, de fato, o é. Mas é muito mais do que isso: é uma ‘audição’ em que o atleta tem de passar uma bateria de testes e mostrar toda a sua capacidade em várias métricas para uma ‘banca de jurados’, que no caso são os observadores e membros das comissões técnicas das franquias. O que vale no Combine é tentar impressionar essa ‘banca’ o máximo possível e garantir que sua chance de ser um jogador da NFL no futuro aumente consideravelmente após o evento.

Os atletas são divididos em 11 grupos, todos divididos conforme suas posições em campo (algumas posições são divididas em mais de um grupo) e com uma agenda já predeterminada de avaliações, exames e testes físicos (o site da organização do Combine tem a agenda de 2016 completa). Todos estes grupos passam pelos mesmos quatro dias de ‘audição’, tanto dentro como fora de campo, se revezando para garantir que todos os atletas convidados para o evento possam ter o mesmo tempo de observação.

Para os treinamentos em campo, o Combine de 2016 terá a seguinte divisão de dias e atletas:

Primeiro dia (sexta-feira, dia 26): Running backs, atletas dos times especiais (kickers e punters) e jogadores de linha ofensiva

Segundo dia (sábado, dia 27): Quarterbacks, wide receivers e tight ends

Terceiro dia (domingo, dia 28): Linebackers e jogadores da linha defensiva

Quarto dia (segunda-feira, dia 29): Defensive backs (atletas da secundária)

Há uma enorme variedade de testes feitos durante o evento, que incluem exames médicos, entrevistas, exercícios feitos de acordo com a posição de jogador, teste antidoping e até mesmo teste de QI (o Wonderlic). Agora é a hora de conhecer os principais testes físicos que os candidatos a astros da NFL tem de passar para ganhar o coração dos observadores (com os nomes no original em inglês)

40-yard dash

Consiste simplesmente em correr 40 jardas em linha reta (quase metade de um campo de futebol americano) e estabelecer o menor tempo possível em percorrer esta distância. O teste não só avalia o quão rápido é o jogador, mas também o quanto ele é explosivo ao tentar uma corrida curta iniciando de um determinado ponto.

Até por uma certa semelhança com as corridas de 100 metros rasos do atletismo, o 40-yard dash é o evento mais esperado de todo o Combine. Tanto que até gente que não joga futebol americano se arrisca a dar um sprint, como o comentarista do canal oficial da NFL (a NFL Network) Rich Eisen, que desde 2005 participa da prova (aqui o vídeo de Eisen no Combine de 2014)

Bench Press

Sabe o supino que você faz na academia para dar uma força na musculatura? Na NFL também se usa, mas por outro motivo: o teste de supino do Combine serve para avaliar se o atleta anda em forma e é forte o suficiente para aguentar o ritmo de jogo. O objetivo do exercício e o de conseguir o maior número de repetições possíveis com um peso de 225 libras (102kg).

(Aqui o vídeo de como funciona o teste do supino no Combine)

Vertical Jump

Neste exercício, o atleta tem de pular o mais alto que puder e tocar as ‘bandeirinhas’ que ficam presas em um mastro. O exame avalia o alcance máximo do jogador na hora do pulo e a distância máxima que o pé do jogador fica do chão na hora da impulsão. (Este vídeo da NFL dá uma explicação mais detalhada sobre o exercício e o seu valor no Combine):

3 Cone Drill

Não é como aqueles treinos do futebol em que também se usam cones. Aqui, o atleta tem que mostrar que consegue em alta velocidade mudar seu posicionamento em campo. Na verdade, são quatro cones (como o vídeo explicativo da NFL mostra):

O teste é feito da seguinte maneira: de um ponto inicial determinado, o jogador corre cinco jardas em direção ao primeiro cone e retorna. Depois, o atleta retoma a corrida, dá a volta no segundo cone, dá uma espécie de ‘finta’ no terceiro cone, vira na direção oposta, passa pelo outro lado do segundo cone e termina o exercício.

Broad Jump

Outro dos testes do Combine que lembram demais o atletismo (neste caso, o salto em distância), mas o jogador tem de ficar parado antes do pulo ao invés de correr. Assim como no esporte olímpico, a meta aqui é pular o mais longe possível sem mover os pés na hora da aterrissagem. É um teste que tem como foco o se o atleta tem bom equilíbrio e sabe ter uma boa impulsão ao pular de um ponto a outro do campo.

Shuttle run

São dois testes e o principal deles tem como distância 20 jardas (há um outro com 60 jardas). É o exercício feito especialmente para ver se o atleta consegue se rápido em movimentação lateral. Com os dois pés e uma das mãos no chão (posição chamada de 3-point stance), o jogador corre lateralmente cinco jardas para a direita, toca a linha de marcação do campo e corre dez jardas para a esquerda, tocando a marcação do outro lado com a mão esquerda. Então, o atleta novamente se vira e corre mais cinco jardas até o fim do exercício.

Melhores marcas do Combine (nos últimos anos)

40-yard dash: Chris Johnson (4.42s, 2008)

Bench Press: Stephen Paea (49 repetições, 2011)

Vertical Jump: Chris Conley (45.0 polegadas/1.14m, 2015)

3-Cone Drill: Jeffrey Maehl, (6.42s, 2012)

Broad Jump: Byron Jones (12 pés e 3 polegadas/3.73m, 2015)

Shuttle Run (20 jardas): Jason Allen (3.81s, 2006)

Shuttle Run (60 jardas): Brandin Cooks (10.72s, 2014)

Agora que você já sabe o que é o Combine e o que se faz por lá, é hora do fã de futebol americano acompanhar o evento (que infelizmente só é transmitido pela NFL Network nos Estados Unidos) e ver quem vai se destacar durante os testes. Quem sabe um deles não acaba indo para o seu time favorito e vira uma estrela da NFL.