Palmeiras solicita à Globo para separar propostas da TV aberta e fechada, diz jornal

Fluminense
Crédito da foto: Reprodução

O Palmeiras ainda não decidiu para qual emissora de TV fechada venderá os direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro a partir de 2019. O clube negocia com a Rede Globo e de acordo com o jornal Folha de S.Paulo fez um pedido para que o canal carioca separasse a oferta de R$ 1,1 bilhão, somados os valores de TV aberta e por assinatura.

LEIA MAIS:
Esporte Interativo esclarece as negociações pelos direitos de transmissão do Brasileirão 
Palmeiras não tem pressa para renovar contrato de TV, diz PVC 

Com a quantia não é discriminada, a comparação com a oferta com o Esporte Interativo é dificultada.

Grande ameaça à hegemonia global, o Esporte Interativo oferece R$ 550 milhões aos clubes na TV fechada, a serem divididos de acordo com o modelo da Premier League: 50% de forma igualitária, 25% de acordo com desempenho técnico e outros 25% a partir da audiência

Saudável financeiramente, na contramão de outros grandes clubes brasileiros, o Palmeiras não tem pressa em tomar a decisão, conforme revelou o jornalista Paulo Vinícius Coelho, na última terça-feira, em seu blog. O clube espera um momento mais favorável da economia para vender os seus direitos de transmissão.

De acordo com a Folha, o presidente Paulo Nobre só vai entrar de vez na negociação se a proposta for irrecusável.

Se houver acordo em 2016, o plano do mandatário alviverde é aplicar o dinheiro para que o próximo presidente possa fazer uso das quantias integralmente e com juros.

Pedro Garcia, diretor da Globo Esportes, não quis detalhar a negociação à publicação.

“Ainda estamos em negociação com o Palmeiras; não revelamos os detalhes em respeito às demais partes envolvidas”, disse.

Em relação ao pedido de separação entre as propostas de TV aberta e fechada, Garcia sinalizou que deve atender ao pedido alviverde.

“Novamente, não revelamos detalhes durante as negociações em respeito às partes envolvidas. Mas podemos esclarecer que, em cumprimento às regras legais, os contratos serão por mídia, como determina o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica)”, concluiu.

 



Rafael Alaby é jornalista diplomado pela FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado), com passagens pela Chefia de Reportagem de Esportes, da TV Bandeirantes, em São Paulo e site KiGOL. Pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte (FMU)