Opinião: Temos a solução para os problemas do Palmeiras

Palmeiras - 1 título (2016)

Que jogadores e comissão técnica não falam a mesma língua desde o fim de 2015, isso é notório. A conquista da Copa do Brasil, no entanto, deu um novo “fôlego” a esse relacionamento fadado ao fracasso. Analisando toda essa situação – e com uma Libertadores pela frente – pensei em uma forma do Palmeiras melhorar dentro de campo.

LEIA MAIS
Palmeiras: Enquete mostra que 61% da torcida do Palmeiras quer a saída de Marcelo Oliveira
Marcelo Oliveira revela sentimento com má fase do Palmeiras

Antes de mais nada, gostaria de salientar que as opiniões contidas neste post são única e exclusivamente responsabilidade deste jornalista. O Torcedores.com oferece este espaço de OPINIÃO aos colaboradores e todos estão livres para escrever aquilo que o coração sente e o cérebro permite. Todos, claro, estão livres para discordar. Dito isto, vamos lá:

O Palmeiras não precisa necessariamente demitir o técnico Marcelo Oliveira. Uma coisa que aprendi na vida é que a humildade é uma das maiores virtudes do ser humano. Analisando o Verdão fica fácil perceber que muita roupa suja precisa ser lavada. Se cada um – comissão técnica e jogadores – assumirem seus erros e darem as mãos por um bem maior – O PALMEIRAS – tudo pode melhorar.

Ok, tudo isso soou um tanto quanto piegas, inocente. Pude até ouvir a melodia de “Over the Rainbow” ao fundo. Mas apesar de todos os clichês envolvidos, esse seria o cenário mais correto a acontecer.

Uma segunda situação – talvez a mais plausível no momento – seja também a manutenção de Marcelo Oliveira, só que com menos teimosia. É incrível como o treinador do Verdão cisma com a ideia de manter o esquema 4-2-3-1, ou de jogar com determinados jogadores em determinadas funções, sem aproveitar o leque de possibilidades que o elenco numeroso do Palmeiras oferece. Parece a teimosia do Gargamel em sequestrar os Smurfs, com o perdão do trocadilho.

Por que Marcelo Oliveira não muda o esquema tático?

Por que Marcelo Oliveira não coloca o Zé Roberto como armador, municiado por volantes como Gabriel, Arouca e Jean? “Ah, mas o Gabriel está machucado”. Ok, enquanto isso Thiago Santos ou Matheus Salles, poxa vida.

Vocês já pararam pra pensar que temos um dos melhores laterais esquerdos do Brasil no banco de reservas? O Egídio é um BOM jogador, mas está sendo sacrificado nesse 4-2-3-1 kamikaze de Oliveira. Com uma proteção maior, com certeza o Palmeiras poderá usufruir melhor do seu futebol.

Minha sugestão de esquema e time? Algo como 4-3-1-2, com Prass; Lucas, Edu Dracena, Vitor Hugo e Egídio; Gabriel [Thiago Santos ou Matheus Salles], Arouca e Jean; Zé Roberto; Dudu e Barrios.

Outra coisa: por que insistir com um centroavante paradão lá na frente, se podemos colocar correria para cima dos adversários com Dudu, Erik e Gabriel Jesus? O ex-atacante do Goiás sabe como jogar bem como “falso 9”, o que ajudaria bastante mesmo no teimoso esquema 4-2-3-1, queridinho do Marcelo Oliveira.

Mas ok… Se até mesmo esse cenário ainda pertencer a cenas de contos de fadas, não faltará outra opção a não ser demitir Marcelo Oliveira do comando técnico do Verdão. Mas se isso acontecer, a chance de conseguir conquistar algo em 2016, como a Libertadores, por exemplo, diminuem no mínimo 50%.

Mas, cá entre nós, alguém está botando fé em uma boa Libertadores com o Marcelo Oliveira no comando e seu 4-2-3-1 suicida?

Em resumo, a solução para o Palmeiras está aqui abaixo. Das três, uma:

1 – Comissão técnica e jogadores precisam lavar a roupa suja, agir com humildade e reconhecer seus erros;
2 – Mudança tática urgente, com Marcelo Oliveira testando novos esquemas e jogadores em diferentes funções;
3 – Adeus, Marcelo Oliveira.

No momento em que o Palmeiras REALMENTE passa uma expectativa positiva para a torcida, não vai ser a teimosia de um treinador ou o “bico” de meia dúzia de jogadores que farão um projeto maravilhoso cair por terra. Muito menos tirar do rosto o sorriso de mais de 16 milhões de palmeirenses.

Foto: Reprodução / Internet