Opinião: Os pilares da futura seleção italiana estão no Milan?

Crédito da foto: Reprodução/Facebook oficial do Milan

Pode até soar estranho dizer que o futuro da Azurra está presente no Milan, clube que fez uma última temporada péssima onde sequer conseguiu uma vaga para a Liga Europa e se o atual campeonato acabasse hoje estaria fora novamente das competições europeias.

LEIA MAIS:
Napoli fica no empate com o Milan e perde chance de ser líder

Mas vamos esquecer um pouco o coletivo e falar dos destaques individuais do Milan: A surpresa positiva da última temporada foi o meia Giacomo Bonaventura, contratado por €7 milhões junto a Atalanta, que junto com Menez, “carregou” o Milan nas costas durante o Italiano e evitou que o time fizesse uma campanha ainda pior, contabilizando 7 gols e 5 assistências em seu primeiro ano no Rossonero.

Sua estreia na seleção ocorreu em 2013, e a expectativa é que o jogador esteja presente na lista da Eurocopa de 2016. Com características das lendas Totti e Del Piero, Bonaventura pode ser o ponto de equilíbrio, entre nomes consagrados como Pirlo e jovens craques como Verrati, no meio campo da seleção. Se for bem, pode comandar o meio-campo do time na Copa de 2018, onde terá 28 anos.

Contratado para essa temporada, o zagueiro Alessio Romagnoli foi o motivo da novela entre Milan e Roma, que tinham um entrave financeiro para a concretização do negócio. Depois de muita conversa entre valores, o Milan pagou €25 Milhões ao time da capital pelo defensor de 21 anos. Romagnoli escolheu a camisa 13 que pertencia ao ídolo do clube, o também zagueiro Alessandro Nesta.

Romagnoli chegou e mostrou que não escolheu a camisa por acaso: o zagueiro deu uma segurança que não foi vista na última temporada do clube, onde quem fazia dupla com o brasileiro Alex eram os irregulares Méxes e Zapata. Com grande vigor físico, raça e quase sempre soberano nas bolas aéreas, o jovem italiano logo conquistou a torcida e é titular indiscutível no time de Siniša Mihajlović.

Há quem o considere a melhor contratação do clube na janela, onde Carlos Bacca que é vice-artilheiro do campeonato também foi contratado. Não seria surpresa vê-lo já nesta edição da Euro na seleção, e se espera que ele seja titular na Copa do Mundo de 2018.

Por último, mas não menos importante, temos o garoto Gianluigi Donnarumma, de apenas 17 anos. Para muita gente seria loucura colocar um adolescente no gol de um dos maiores clubes da Europa. O jovem poderia sucumbir a pressão natural da meta Rossonera, falhar e demorar a ser aproveitado no clube, mas isso não aconteceu com Donnarumma…

Após Diego Lopez, titular indiscutível na posição precisar se retirar para tratar de uma lesão, a escolha natural seria o experiente Abbiati assumir a posição. Mas Mihajlović decidiu apostar em Donnarumma, que só tinha jogado o último jogo da pré-temporada contra o Real Madrid, onde na oportunidade chegou até a defender um pênalti de Toni Kroos.

O garoto não decepcionou, mostrou uma segurança embaixo das traves de dar inveja, e com seus 1.99 de altura fez defesas espetaculares, garantindo em muitas oportunidades pontos preciosos para o Milan. A atual fase do time, com oito jogos invictos, deve-se muito à Donnarumma, que se destacou em muito em jogos como os contra Fiorentina (2-0), Inter de Milão (3-0) e no empate com o vice líder Napoli (1-1).

Ainda é muito cedo para se ter uma ideia se Donnarumma terá sucesso na seleção italiana. Mas o jovem arqueiro poderá seguir o mesmo caminho do xará Gianluigi Buffon, ídolo da Juventus e campeão da Copa do Mundo de 2006: ser ídolo no clube e na seleção. Vale lembrar que diversos clubes europeus já se interessaram por Donnarumma, mas dirigentes do clube italiano garantem que ele será o goleiro nos próximos 20 anos, e depositam grande confiança no jovem, esperando que siga o mesmo caminho de Buffon, Totti, de Rossi, e dos ídolos do Milan, Maldino, Gattuso e Nesta, por exemplo.

A fase do Milan não pode ser das melhores, o time não é nem sombra da equipe que já teve Gullit, Van Basten, Weah, Kaká, Pirlo, mas esses jovens dão um fio de esperança à torcida que deseja ver novamente o Milan forte na Europa.



19 anos, estudante de Jornalismo, zagueiro nas horas vagas, nordestino com orgulho e um completo apaixonado por futebol.