Opinião: O mau exemplo dos “cascudos” do Grêmio

Douglas
Foto: Grêmio/Divulgação

Vamos recapitular alguns fatos ocorridos nos últimos jogos do Grêmio:

  • Na estréia da Libertadores, derrota para o Toluca e Edinho “desabafa” nos microfones, soltando um monte de palavrões.
  • Último jogo na Arena, ao ser substituído, Douglas discute com torcedores antes de sentar na casamata.
  • Ontem, na derrota para o São Paulo-RS, Edinho perde o controle emocional, dá soco em adversário e é expulso do jogo.

Você pode dizer que fatos como esse acontecem, são até normais, e dentro de um contexto de vitórias passariam desapercebidos. Sim, realmente isso pode acontecer. Mas é inegável que dentro do atual contexto do time do Grêmio (que ainda não passa confiança ao torcedor), isso é um sinal de alerta importante.

Não dá para os chamados “cascudos” do elenco serem o exemplo negativo da equipe. É deles que o torcedor, o técnico, o presidente, enfim, todos esperam uma atitude profissional, uma liderança positiva para os guris do elenco.

Como justificar a presença de Edinho e Douglas nos próximos jogos se as atitudes infantis estão vindo deles?

Douglas com seus cabelos grisalhos e barba espartana ainda está devendo futebol nesse inicio de temporada. E Edinho já não possui aquele vigor físico que era o seu diferencial enquanto jogador. Então, na bola já estava difícil justificar as suas presenças no time titular; e agora o argumento da liderança está caindo por terra.

Alô Roger! Hora de rever alguns conceitos sobre liderança no grupo, antes que seja tarde demais!

Lembrando que a sequência de jogos na próxima semana (LDU, Gre-Nal e São Lorenzo) serão decisivas para as pretensões do clube no primeiro semestre. E ranço com a torcida e perda de controle emocional devem passar longe da Arena.

Foto: Grêmio/Divulgação



Luis Henrique Rolim usa do sarcasmo e da linguagem popular para comer as pizzas do esporte. Futebol, surfe e Jogos Olímpicos são seus sabores favoritos. Ama os gordurosos assuntos extra-campo, e por isso tem colesterol acima da média. Debate ideias, não pessoas.