Opinião: Hora de aprender com os erros, São Paulo!

Crédito da foto: Divulgação/São Paulo FC

Caro torcedor Tricolor, reza lenda que em clássicos, jogos importantes é necessário sempre estar atento, até nos menores detalhes, por que são essas coisas que desequilibram em partidas monumentais como um “Majestoso”. O grande teste para a Taça Libertadores, assim era tratado por jogadores de ambas as equipes, mas um certo camisa 4 (talvez) não tenha encarado de tal forma, e foi ele quem desequilibrou a peleja.

Em uma jogada absolutamente boba, numa bola inútil, Lucão deu a vitória ao Corinthians, ali já havia sinal da derrota. Num jogo absolutamente igual, o zagueiro, que conta com muita desconfiança da torcida, foi inexperiente, num momento em que todos os erros põem tudo por água abaixo. Então era hora de se expor, correr atrás do prejuízo, o São Paulo dominou, rodou a bola, e por vezes, viu o rival jogar com os 10 homens atrás da linha da bola, esperando o contragolpe, mas o São Paulo não teve competência para empatar.

Poucos foram os chutes que ameaçaram a meta de Cássio, e quando a bola foi ao alvo sempre levou perigo, exigia o goleiro alvinegro. Teve hora que Dênis mal conseguia ver a bola, que de tão distante de sua área estava, as chegadas eram contidas, mas num escanteio cobrado para o meio da área, o camisa 4 são paulino não acompanhou, livre o corinthiano subiu e fez o segundo, já na parte final do segundo tempo. Era o fim!

Não! O SPFC não jogou mal. Teve uma boa marcação compacta, não sofreu pressão habitual exercida pelos itaquerenses e demonstrou raça, vontade de empatar o jogo, sem apatia. Contudo não pode desperdiçar tantas chances como fez, nessas partidas não podem ter nem sombras de erros, coisa que o atual time de Bauza faz. Definitivamente essa é uma partida que, apesar de não ter vencido, deve acrescentar, deve-se aprender com ela (e a melhor lição é que já deu para Lucão e Centurion [é tão repetitivo nos erros que até desisto da jogada quando ele pega na bola]).

Ao fim do jogo P. H. Ganso disse que o resultado não irá interferir na estreia, quarta-feira (frente o The Strongest, no Pacaembu, às 19h30), é outra competição, outra história. Para este jogo, Patón Bauza tem que mudar as duas peças citadas acima, Lugano já pode ter condições de jogo (uma perna dele já vale por todo o nosso camisa 4…) e Rogério já mostrou que pode fazer muito mais que o 20. Hora de lotar o Pacaembu uma vez mais para empurrar e incentivar o maior campeão brasileiro do torneio (ao lado do Santos) rumo o tetracampeonato.



Cursando Jornalismo e apaixonado pelo esporte bretão, 21. 'Cada um tem um time, e eu não escondo o meu!" - André Henning