Opinião: Corinthians, Oderbrecht, Itaquerão e Lava Jato

Divulgação/Facebook Arena Corinthians/ Oderbrecht

A queda de cerca de 500 quilos de material do teto da Arena Itaquera, cerca de 31m², no setor oeste, na quinta-feira passada (18), onde ficam os camarotes VIPs foi um balde de água fria para a diretoria do clube e para Andres Sanchez, diretor do estádio e Deputado Federal pelo PT. Escancarou o que muitos diziam e não eram ouvidos: A arena Corinthians não está pronta por completo.

Ainda bem que não havia jogo ou a tragédia seria pior do que foi.

Porque a Arena não está pronta?

Alguém pode responder, se uma residência tiver problemas de infiltração e até queda de teto em um lugar com uma obra feita em menos de 2 anos, essa obra foi bem executada? Acredito que não. É mais ou menos assim que vejo esse problema do Corinthians e seu estádio.

O real problema é a forma como está sendo levado esse acidente. No Corinthians ninguém fala, todos calados. Os órgãos públicos que deveriam zelar pela segurança dos torcedores também nada fazem. Acontece que há uma força política enorme para enfrentar qualquer questionamento para interditar ou paralisar qualquer tipo de evento no estádio.

O estádio foi entregue em 2014 em meio às obras que não foram concluídas. O corintiano pode até xingar este que escreve, mas o estádio da nação corintiana não está pronto como deveria e em breve vocês verão.

O jornalista Cosme Rímole, em seu blog no portal R7 já denunciou que locatários de espaços no estádio avisaram que há vazamentos e infiltrações nas dependências do estádio. Quem vai ao estádio percebeu que há tapumes perto da entrada do setor norte, pois bem, há um enorme buraco no chão provenientes das chuvas fortes que acometem São Paulo. Há outro buraco, também no terreno do estádio, fica perto da Radial Leste

O Corinthians sabe dos problemas, mas quem deveria consertar e arrumar o estádio é a Oderbrecht, empreiteira que cuida do consórcio que gere a Arena. Porém, desde que a operação Lava Jato iniciou, a empresa parou tudo que estava fazendo. A previsão inicial era que esse ano, todas as obras que faltavam seriam concluídas. Desde junho/2015, com a prisão de Marcelo Oderbrecht, presidente do grupo Oderbrecht, nada funciona.

O responsável direto pela construção da Arena também está retido, Benedicto Barbosa da Silva Junior. O Corinthians se vê sem saída. Não tem recursos para continuar as obras e se vê preso ao consórcio com a Oderbrecht que está envolvida até o pescoço com a Lava Jato.

Lula e Andrés amarraram bem a construção do estádio, só não imaginavam que a Polícia Federal fosse desmantelar os esquemas da Oderbrecht e outras empresas com o “Petrolão” e atrapalhar os planos do Corinthians.

O Clube que nada tem haver com os problemas da Construtora, sofre por tabela.

Os problemas

O Itaquerão foi o estádio que deu mais problemas na Copa. A liberação do montante para terminar as obras teve que ser avalizada por Lula. O estádio custou cerca de R$1,2 bilhão, boa parte foi cedida pelo BNDES e governo municipal. O problema é que o montante chegou meses antes do início da competição. Não haveria tempo hábil para construir o estádio de maneira correta como teria que ser feito, e que fosse de acordo com o que a Fifa queria.

O Corinthians e a construtora fizeram três a quatro turnos diários, trabalhando dia, tarde, noite e madrugada para entregar a tempo. Nesse período, 3 operários faleceram. O Corinthians conseguiu construir o estádio.

A capacidade do Itaquerão é para 48 mil pessoas, para copa foi elevado para 68 mil. As arquibancadas móveis só foram usadas no jogo inaugural da copa e na competição, sem haver testes antes.

Esse ponto Andres Sanchez sempre reclamou, dizia que o estádio estaria pronto, e por menos, se não fosse a Copa. E porque então o Corinthians se sujeitou a fazer? Que fizesse no Maracanã ou Mineirão.

O Corinthians também não consegue vender o Naming Rights do Itaquerão, não há atrativos. O estádio é lindo, mas não tem chamativo econômico fora o futebol. Itaquera é um bairro residencial e ainda não está desenvolvido como Perdizes e Morumbi (onde ficam os estádio de Palmeiras e São Paulo, e que têm recebidos inúmeros eventos). O Estádio é o único ponto positivo e de investimento do bairro que carece de mais assistência do poder público.

Sem a venda do Naming Rights o Corinthians arca com tudo. O problema da queda do teto causou repercussão negativa. Essa semana alguns blogs e sites noticiaram que o Corinthians estava próximo de um acerto, porém, não há nada de concreto para o Naming Rights.

O Corinthians sofre por conta da recessão e da crise econômica e principalmente política, uma vez que o partido do governo é o centro das atenções para escândalos de corrupção, e a empresa que fez a obra do estádio é um dos pilares do processo.

A avaliação é que não seja o melhor momento para que uma empresa tenha seu nome juntado a um estádio em que a empresa que construiu está sendo investigada por corrupção.

Até o Corinthians não gostaria no momento de vender, pois sabe que a pedida seria abaixo do que o clube gostaria e do que realmente vale.

O Corinthians se tornou vítima nesse imbróglio. Agora o clube tem que começar a pagar a empreiteira para quitar o empréstimos junto ao BNDES. E o montante não é pequeno.

Oderbrecht e Lava Jato

A empreiteira simplesmente parou, não há obras, não há andamento em absolutamente nada tanto no Corinthians quanto em qualquer lugar onde tenha alguma obra.

Para resolver os problemas, Andres Sanchez corre para tentar solucionar o caso. O dirigente e deputado federal quer arrumar garantias necessárias para que o Corinthians continue mandando jogos no estádio.

O Corinthians além de seus jogos, terá que ceder o estádio às Olimpíadas.

O estádio está começando a cobrar os pulos na construção.

O apadrinhamento de Lula para construção do estádio impede que o mesmo possa ser interditado a qualquer momento. Mas para ter essa convicção, é preciso que haja uma vistoria para saber de fato quais danos provocaram o desabamento e se há possibilidade de haver um novo problema.

Corinthians

Repito, o Corinthians e seus torcedores são vítimas. O clube não pode ser responsabilizado por problemas alheios, uma vez que o Corinthians não é uma construtora.

O estádio está de pé, lindo, porém, não acabado. Que seus dirigentes tenham ciência do quão perigoso é ter um estádio não acabado, e pior, que gere riscos à torcida.

Nada tirará o estádio do clube, mas devido a todos os problemas citados, tem que haver bom senso e discernimento para que não haja acidentes de proporções catastróficas.

 



Jornalista. Gosta de abordar sobre futebol e às novidades do mundo na fórmula 1. Atualmente é analista de mídia para Honda S.A.