Euro 2016 – Itália: o que esperar da Squadra Azzurra, título ou decepção?

Crédito: Facebook Oficial Nazionale Italiana di Calcio

Qual Itália nós veremos na Euro 2016: A da última Copa do Mundo, desclassificada na primeira fase ou a da última Euro, vice-campeã, perdendo para Espanha na final? Não dá para saber.

Leia Mais

França: Fator casa para repetir 1998

Espanha: Ainda dá para confiar na Seleção Espanhola

Alemanha: Em busca do padrão da Copa

Inglaterra: Favorita como nunca, zebra como sempre

Pela bola apresentada pela equipe de Antonio Conte nas eliminatórias, não será nada animador assistir o futebol italiano, po´rem, podemos esperar uma consistência que há tempos não se via no time italiano.

A Itália sempre foi assim: burocrática e decisiva. Se o futebol não empolga, a obediência tática defensiva da seleção é algo primoroso.

No entanto, a sorte parece não estar do lado da seleção italiana ultimamente. Assim como na Copa do Mundo de 2014, a Squadra Azzura caiu no grupo da morte na Euro-2016. Fará sua estreia ante os Belgas, líderes do ranking da Fifa, e candidatíssimos ao título, e ainda jogará com Suécia e Irlanda, que venceu a Alemanha nas eliminatórias.

A Itália quer se apegar a escrita: sempre que a equipe faz uma campanha ruim em um campeonato, o campeonato seguinte, quando a equipe está desacreditada, ela chega com força.

Os especialistas dizem que a seleção italiana é o reflexo do futebol dos times italianos, considerados decadentes. O Calcio que outrora era o campeonato mais visto na Europa perdeu força e hoje é considerado um campeonato aquém do Inglês, Alemão e Espanhol. Essa defasagem acaba por interferir dentro de campo.

O time dentro de campo ainda é liderado por Buffon, e tem como pilar o time da Juventus, vice-campeão europeu de 2015.

Mas a equipe italiana nada lembra a Juve. Conte ainda mantém jogadores experientes como Chiellini, Marchisio, Bonucci, Candreva no time e alia a experiência dos veteranos aos jovens Darmian, De Sciglio, Florenzi e Pellè. Mas falta um craque. Del Piero se aposentou e Pirlo, já veterano, não parece empolgado para mais um Euro.

Falta um Baggio, um Paolo Rossi, um De Piero, um Totti à Itália, falta aquele jogador decisivo que na hora certa decide, porém, não é por falta de talento, há jogadores que podem assumir a responsabilidade de levar à Itália de volta ao topo da Europa.

Resta saber se a equipe italiana desempenhará aquilo que se espera dela.

A Itália terá dois testes antes da Euro: Espanha e Alemanha na última semana de março para provar que o time, por mais decadente que possa estar, jamais poderá deixar de ser considerado favorito.

Crédito: Facebook Oficial Nazionale Italiana di Calcio



Jornalista. Gosta de abordar sobre futebol e às novidades do mundo na fórmula 1. Atualmente é analista de mídia para Honda S.A.