Conheça os desafios iniciais do Palmeiras na Libertadores 2016

Desde a eliminação para o Tijuana, em 2013, que Palmeiras e Libertadores não se encontravam. Neste período o clube alviverde saiu da Série B, quase retornou a ela em 2014 e teve um ano bom ao conquistar a Copa do Brasil de 2015.

A competição marca a volta de um estádio que viu vários jogos marcantes pelo torneio, o Palestra Itália, que hoje é conhecido como Allianz Parque e que recebeu a vitoriosa final de 1999, quando o Verdão bateu nos pênaltis o Deportivo Cali (COL) e que não recebia jogos do torneio desde 2009, quando viu o empate por 1 a 1 entre Palmeiras e Nacional do Uruguai, que curiosamente é um dos rivais palmeirenses no grupo 2 da Libertadores.

O Palmeiras tem como destaques o goleiro Fernando Prass, garantia de segurança no gol alviverde, a dupla de volantes formada por Jean e Arouca, o meia Robinho e os atacantes Dudu e Gabriel Jesus. Os dois volantes são hábeis com a bola no pé e podem abastecer Robinho e Dudu no ataque. O camisa 7 pode também fazer as vezes de um meia quando o time tiver em campo Alecsandro, Barrios e o garoto Gabriel. Gabriel Jesus, em particular vai usar um numeral diferente do que está acostumado. Normalmente ele tem o número 33 nas costas, mas devido ao regulamento da Conmebol (que determina o uso de números de 1 a 30) ele vai ficar com a 12, camisa aposentada pelo clube desde o fim da carreira do goleiro Marcos.

Nacional

O Nacional é o clube que mais vezes entrou em campo pela Libertadores. Tem três títulos e um vice e tem como novidade a presença do seu treinador, Gustavo Munua, que foi goleiro do time. Ele arma a equipe no 4-3-3 e tem como destaques os atacantes Léo Gamalho (ex-Avaí) e Nicolas Lopéz, bem como o lateral Fucile, que já jogou em gramados brasileiros pelo Santos.

Rosario Central

Os ‘Canallas’ (os canalhas como são conhecidos desde que recusaram um amistoso contra o seu rival de Rosario, o Newells Old Boys para ajudar um hospital dedicado ao tratamento de lepra) vem para sua 10ª participação na Libertadores com Eduardo Coudet no comando do time no banco de reservas e a aposta do Rosario recai Larrondo e Marco Rubén, além da pressão da torcida no estádio Gigante del Arroyito.

River Plate-URU

O clube de Montevideo, mas que mandará o jogo desta noite em Maldonado (próximo ao balneário de Punta Del Este) faz em 2016 sua estreia na Libertadores e já teve contato com o rival de hoje quando o Palmeiras passou pelo Uruguai para jogar a Copa Antel, em janeiro. O treinador Juán Ramón Carrasco admite que ter enfrentado o alviverde em um jogo treino durante o torneio de verão ajudou seu time a passar pela Universidad de Chile na Pré-Libertadores. Olho vivo em García, Santos, Montelongo.