Cinco mudanças para o Grêmio retomar o bom futebol

Grêmio x Rosario Central
Foto: Lucas Uebel / Divulgação Grêmio

O torcedor gremista que se acostumou a ver o belo futebol do time de Roger Machado durante o Brasileirão de 2015 está preocupado com esse início de temporada. Nem de longe a equipe repete os bons momentos vividos no ano passado. Nesse post, listamos cinco mudanças que podem fazer com que o Grêmio retome os seus melhores dias.

CHANCE PARA BRESSAN

Os problemas defensivos se repetem a cada jogo. Nesta quarta-feira (24), na derrota por 3×2 para o São Paulo de Rio Grande, a zaga voltou a vazar e comprometer a equipe. Kadu, o primeiro a ser escolhido como parceiro de Geromel, não foi bem e saiu do time. Fred, o outro contratado, também demonstra insegurança. Seria um bom momento para Roger Machado dar nova chance ao zagueiro Bressan, que já tem gol na temporada e vai bem na bola aérea.

SAÍDA DE BOLA MAIS RÁPIDA

Tarefa para Roger Machado: encontrar alternativas para fazer com que a saída de bola defensiva seja mais ágil. Sem Walace, ainda lesionado, o Grêmio perde muito nesse sentido. Edinho não faz com a mesma qualidade a função e também não tem tanta qualidade de passe. A alternativa utilizada com Giuliano de segundo homem na partida frente ao Novo Hamburgo deve ser mais vezes tentada.

LINCOLN EM CAMPO

Ainda que tenha somente 17 anos, o jovem meia Lincoln vem demonstrando desenvoltura e bom futebol nas raras chances que vem tendo de Roger Machado. Foi dele a assistência para o gol de Bobô contra o Veranópolis e contra o São Paulo voltou a aparecer com destaque no gol de Luan. Por que não testá-lo também na Libertadores? Experiência se ganha também em campo.

DOUGLAS NO BANCO

Para a surpresa de muitos críticos, Douglas realizou uma grande temporada de 2015 e foi um dos condutores da equipe de Roger Machado ao terceiro lugar do Brasileirão. Mas o fato é que ele não consegue repetir as boas atuações em 2016. É o momento de Roger repensar sua utilização nos onze iniciais, ainda mais com as opções de Lincoln e Miller Bolaños, que assim que aparecer no BID deve obrigatoriamente aparecer no time.

SEQUÊNCIA PARA BOBÔ

Por que não utilizar um centroavante de referência? Na partida contra o Toluca, derrota por 2×0 na estreia da Libertadores, Roger escalou Luan e Everton no ataque, sem centroavante fixo. No segundo tempo, ingressou com Henrique Almeida, que tem dado resposta inferior a Bobô.



Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Fã de esportes, sobretudo tênis. Colorado por paixão, jornalista por vocação e tenista por opção.