Bauza acredita em bom futebol e defende Michel Bastos

Crédito de imagem: Rubens Chiri/ Site oficial do São Paulo

Na noite desta quarta-feira, o time de Bauza ganhou a partida diante do Novorizontino, no Estádio do Pacaembu pelo placar de 2×0, o que não impediu que a torcida do São Paulo pegasse no pé de Michel Bastos e cobrasse mais ação do time.

LEIA MAIS
SÃO PAULO X NOVORIZONTINO: SAIBA COMO FOI A VITÓRIA DO TRICOLOR

Se por um lado o fato de não demonstrar um belo futebol irrita a torcida do São Paulo, Bauza pensa diferente. ‘’Sabíamos que a partida seria muito complicada, até pela maneira do adversário jogar, que é pressionar muito, marcar forte. Isso nos impediu de ter uma melhor circulação da bola. Mas a equipe soube resolver isso. Defensivamente, estivemos bem sólidos. Ao meu critério, a equipe jogou bem e conquistamos três pontos importantes.’’

Em coletiva, Bauza também comentou a fato de Denis ter entrado como capitão do São Paulo. ‘’Essa não é uma questão importante para mim. No jogo passado, como Michel não estava em campo, resolvi que Denis seria o capitão e hoje resolvi manter. O plantel de atletas tem cinco, seis líderes e qualquer um deles pode ficar com a tarja.’’

O jogo também foi palco de mais um protesto da torcida contra Michel Bastos. A organizada do São Paulo, fez um apitaço todas as vezes em que o meia tocava na bola. Para Bauza , a torcida responde aquilo que vê em campo. ‘’Também não me preocupa isso. O atleta tem de estar preparado para ganhar e fazer sempre o seu melhor. Ele jogou essa partida porque estava bem, mostrou que estava recuperado nos treinamentos. Jogou por fora em alguns momentos, ajudou na defesa. Para mim, foi uma partida boa do Michel, ele colaborou para que a equipe pudesse ganhar’’

Durante a entrevista, Bauza comentou como está sendo esse período no São Paulo e sua adaptação. ‘’Não tenho problemas com idioma, vamos nos entendendo. Estou tendo muitas dificuldades com o clima, a chuva tem atrapalhado nossos treinamentos. O clube dá todas as condições para trabalhar, os atletas estão aceitando a ideia de como trabalho, já temos uma maneira de jogar e agora temos de melhorá-la.’’