Palmeiras: Comparação entre o elenco de 1999 com o atual

Palmeiras
Crédito de imagem: Arte/Torcedores.com

O Palmeiras vai fazer sua estreia na Libertadores contra o River-Plate (URU). A partida desta terça-feira (16), será no Domingo Burgueño Miguel, em Maldonado, capaz de abrigar cerca de 25 mil espectadores. Após um tropeço contra a Linense pelo Campeonato Paulista, a torcida está descontente com a atuação do time. O Palmeiras já está há três jogos sem vencer e o jogo de amanhã pode definir o futuro de Marcelo Oliveira no comando do time.

LEIA MAIS:
Palmeiras: Veja os cinco meias que dariam certo no clube
PALMEIRAS VIAJA PARA ESTREIA DA LIBERTADORES COM 20 JOGADORES; VEJA OS RELACIONADOS

O último título do Alviverde na competição foi em 1999, time comandado pelo técnico Felipão. O rival na decisão foi o Deportivo Cali-COL, e em uma disputa de pênalti o Verdão se consagrou campeão. Mas qual a diferença entre o elenco de 1999 para o atual? Naquela época o Palmeiras tinha como patrocínio a Parmalat uma das eras mais vitoriosas do Verdão. Hoje tem a Crefisa que montou um super time, mas falta credibilidade nos jogadores

Marcos/Fernando Prass: Marcos jogou só no Palmeiras, virou ídolo da torcida por se destacar em cobranças de pênaltis e por fazer milagres. Já Prass chegou no Verdão para disputar a série B, foi líder dentro de campo e sempre fez boas partidas, mas 2015 foi especial para o arqueiro do Verdão, foi muito importante na Copa do Brasil, onde além de defender pênaltis, Prass converteu a última penalidade dando o título ao Verdão.

Arce/Lucas: Arce tinha uma precisão incrível nos cruzamento (tanto com bola rolando quanto parada) e as cobranças de faltas quase indefensáveis que aterrorizaram goleiros ao redor do globo. Já Lucas chegou no Verdão ano passado, por ter liderança em campo, foi capitão do time em algumas partidas. Chega muito bem na frente, mas na marcação as vezes deixa a desejar.

Roque Júnior/Roger Carvalho: Roque Júnior substituiu o suspenso Cléber e fez duas grandes partidas diante do River Plate, na fase semifinal da competição.Após o título da Copa Libertadores, Roque ganhou destaque na equipe alviverde, e em 2000, foi vendido para o Milan, da Itália. Roger Carvalho está substituindo Edu Dracena que está se recuperando de uma lesão, quem sabe não possa repetir o que fez Roque Junior e se destacar de vez.

Júnior Baino/Victor Hugo: Júnior foi conhecido pelo estilo de jogo sério, raçudo e, por vezes, atabalhoado. Assim como o Victor Hugo, um dos mais “queridos” da torcida.

Júnior/Zé Roberto Dois anos após sua estreia no profissional, o lateral foi contratado pelo Palmeiras, que buscava um substituto para Roberto Carlos.Chegou ao Parque Antártica conquistando, além da titularidade na lateral-esquerda, o Campeonato Paulista de 1996. O bom desempenho do atleta pelo Alviverde o levou a disputar sua primeira partida oficial pela Seleção Brasileira em 1998. Já Zé Roberto aos seus 41 anos é um exemplo de profissional para todos.

Rogério/Arouca: Rogério antes de ficar marcado negativamente por ter levado as pedaladas de Robinho em 2002, jogando pelo Corinthians, Rogério foi um dos grandes meio-campistas daquele Palmeiras supercampeão. Esbanjava raça e auxiliava Alex e Zinho no apoio ao ataque. Arouca sempre mostrou muita disposição dentro de campo, mas falta recursos técnicos.

César Sampaio/Jean: César Sampaio foi o grande capitão do Palmeiras campeão da Libertadores e viveu seu auge na carreira como volante do Verdão. Seguro, técnico e uma das vozes do time em campo, transmitia entusiasmo e ânimo a todos. Jean tem como principal características os chutes de fora da área, é muito técnico.

Alex/Robinho: Alex foi genial com a bola nos pés, fazia partidas cerebrais e de um craque do mais alto padrão quando estava a fim de jogar. Quando estava em seus dias “sonolentos”, deixava a torcida em pânico. Robinho tem um passe muito bom, uma ótima visão de jogo, marcou um gol antológico em cima do Rogério Ceni, assim como Alex já fez.

Zinho/Gabriel Jesus: Zinho era experiente, trouxe a cadência e a visão de jogo necessária para o meio de campo do Verdão. Fez uma dupla memorável com Alex e foi titular absoluto da equipe. Um dos grandes jogadores da equipe no período. Já Gabriel Jesus é apenas uma promessa, tem muita habilidade, mas por ser jovem tem muito que aprender ainda.

Paulo Nunes/Dudu: Paulo Nunes era a alegria no time do Palmeiras. Folclórico e sempre polêmico, adorava comemorar gols utilizando máscaras, fazendo dançinhas e principalmente zuando o Corinthians. Era matador e anotou muitos gols importantíssimos para os títulos do Palmeiras no período. Dudu foi a contratação mais cara na temporada passada, sempre demonstra raça, velocidade e habilidade. É um jogador que gosta de provocar os adversários.

Oséas/Barrios: Oséas não era habilidoso, mas compensava com o oportunismo e a precisão nas jogadas aéreas. Marcou vários gols pelo Verdão em 1998 e 1999 e foi um dos heróis na Libertadores. Muito lembrado até hoje. Já Barrios chegou com muita moral, mas falta vontade ao jogador.O atacante da Seleção Paraguaia, ainda não balançou as redes em 2016 e é tido como a principal esperança de gol do time na temporada. Ele chegou ao Verdão em 2015 onde disputou 21 jogos e marcou 8 gols.

Crédito de imagem: Arte Torcedores.com