STJD aceita denúncia contra dirigente do Cruzeiro que disse ter comprado árbitro

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) anunciou em seu site oficial, nesta quarta-feira, que aceitou denúncia contra Benecy Queiroz, dirigente do Cruzeiro que afirmou na última semana ter comprado árbitro em jogo do clube há anos.

Segundo Benecy, ele pagou a chamada mala preta para um árbitro durante a passagem do técnico Ênio Andrade pelo clube – foram três: 1989-90, 1991-92 e 1994-95.

O STJD afirmou que Benecy responderá por dupla infração ao Código Brasileiro de Justiça Desportiva e corre o risco de multa, suspensão e banimento do futebol.  Ainda não há data marcada para o julgamento.

Benecy foi afastado nesta semana pelo clube, alegando motivos de saúde. Ele trabalho na Raposa desde a década de 1970.

Ele responderá no STJD em dois artigos. São eles:

Art. 237. Dar ou prometer vantagem indevida a quem exerça cargo ou função, remunerados ou não, em qualquer entidade desportiva ou órgão da Justiça Desportiva, para que pratique, omita ou retarde ato de ofício ou, ainda, para que o faça contra disposição expressa de norma desportiva.

PENA: multa, de R$ 100 a R$ 100 mil, suspensão de 360 a 720 dias e eliminação no caso de reincidência.

Art. 241. Dar ou prometer qualquer vantagem a árbitro ou auxiliar de arbitragem para que influa no resultado da partida, prova ou equivalente.

PENA: multa, de R$ 100 a R$ 100 mil, e eliminação.

 

 



Jornalista esportivo.