Obsessão: Reforços palmeirenses citam Mundial como objetivo para 2016

Divulgação

O torcedor do Palmeiras tem que conviver constantemente com as brincadeiras dos rivais de que o clube não é campeão mundial. A conquista da Taça Rio, no longínquo ano de 1951, embora esteja nos corações alviverdes, não serve muito para combater a zoeira de corintianos, são-paulinos e santistas. Pensando em por um ponto final nessa história, o Palmeiras deu sequência ao projeto Mundial-2016. Para isso, não bastou a chegada dos oito reforços para esta temporada. Para complementar o ambicioso projeto, toda nova contratação já deixa claro qual é o objetivo para este ano.

Leia Mais: Saiba como assistir o primeiro jogo do Palmeiras em 2016
Visionário, idealizador do DataESPN quer ajudar o futebol brasileiro a evoluir
“China brasileira”, Palmeiras prevê superávit em 2016, ao contrário de rivais

“Quando o Alexandre Mattos me ligou, a primeira pergunta que ele me fez foi: Você está preparado para ser campeão? Foi assim que ele me abordou. Eu disse que não só estou preparado como também quero muito. O Altamiro (Bottino, coordenador científico do Palmeiras) foi muito feliz na última reunião. Ele colocou um caminho de um trilho, que tinha desvio para esquerda, para a direita e um para você seguir reto. O nosso caminho é seguir reto, sem desvios. Nós temos Paulista, Libertadores, Copa do Brasil, Brasileiro e Mundial. Trabalhamos para isso”, revelou Moisés, em sua apresentação.

O discurso do meia não é mera coincidência. O jogador, que trabalhou com Alexandre Mattos no América-MG, revelou o plano do clube. E na esteira do que Moisés falou, outros jogadores fizeram questão de repetir o discurso.

“Eu estou muito motivado. É a primeira Libertadores que, se Deus quiser, disputarei. Tenho certeza de que, com o grupo que a gente tem e com todo o respaldo que o Palmeiras dá, a gente vai em busca do título e, se Deus quiser, em dezembro disputaremos o Mundial”, falou Régis, em sua primeira entrevista como jogador do Palmeiras.

Essas declarações mostram não apenas a vontade de todos de conquistar títulos e dar um passo além do que conquistaram em 2015. Mostra que o discurso entre jogadores, comissão técnica e diretoria, além de estar afinado, é ambicioso.

“Primeiramente, nós temos de nos preparar para os amistosos, é importante dar um passo de cada vez. Quando analisei o elenco, até mesmo pessoalmente, vi que o elenco é diferenciado. Mas temos de pensar e caminhar devagar, passo a passo com calma para não atropelar as coisas. Tudo tem o seu momento, mas pode ter certeza de que, como grande clube que o Palmeiras é, o nosso objetivo é a competição mais importante, que é a Libertadores. Mas, para isso, não podemos atropelar as coisas para chegarmos preparados. Feito isso, consequentemente, buscaremos o Mundial”, falou o recém-chegado Jean.

O Verdão estreia na temporada na Copa Antel, em Montevidéu, no Uruguai, na próxima quarta-feira (20) contra o Libertad-PAR. Se vencer, o time fará a final do torneio um dia depois; se for derrotado, disputará a decisão pelo 3º lugar.

Já no Paulista, a equipe estreia no dia 31 de janeiro, contra o Botafogo de Ribeirão Preto, fora de casa. Mas o torneio que mais importa para todos no clube neste primeiro semestre é a Taça Libertadores. Pela competição continental, o Verdão estreia dia 16/02, mas sem adversário definido, uma vez que o rival sairá do duelo entre Universidad de Chile x River Plate-URU.

“Escolhi o Palmeiras pelo projeto e pelo crescimento do clube em termos de torcedores, principalmente com o Allianz Parque, além do desafio. Você vestir a camisa do Palmeiras é um desafio muito grande, e eu gosto de desafios. Trabalharei para dar alegria ao torcedor. Por mais que eu não tenha jogado tanto no ano passado, eu me preparei muito para, quando chegasse o momento, ajudar a equipe e ganhar títulos. Eu vim aqui para ganhar títulos com a camisa do Palmeiras”, finalizou Edu Dracena.



Jornalista que gosta de boas histórias e grandes personagens, não importa se dentro ou fora de campo