O que os dirigentes dos grandes de SP prometiam quando Alckmin prometia mais metrô?

Reprodução/Facebook

Caso você não tenha se informado sobre, Geraldo Alckmin, governador de São Paulo desde 2011, anunciou na última segunda-feira mais um atraso em obras do metrô – que, hoje, só funciona na capital paulista. As obras foram paralisadas, desta vez, na futura Linha 17 – Ouro. Apenas mais uma promessa descumprida entre sete linhas.

E se promessa não cumprida é coisa de político, é também de dirigente de futebol. Eles quase se igualam no número de promessas que jamais saem do papel.

Então, uma comparação o que os dirigentes de cada um dos quatro grandes de SP prometiam nos anos em que o governador (e seus antecessores, também do PSDB) prometia aumentar o metrô? As promessa foram cumpridas? Ou seguem em atraso, como o transporte público? Veja abaixo:

2014
Alckmin prometeu começar a Linha 18 Bronze – obras não foram iniciadas ainda

Santos – Odílio Rodrigues, então presidente, prometeu pagar parte da dívida de R$ 75 milhões. Não cumpriu e, nesta semana, pode ser expulso do clube, além de ser alvo de processo judicial.

Corinthians – Mario Gobbi prometeu que aumentaria a segurança do Corinthians após invasão de organizadas ao CT do clube. Na última semana. jogadores do sub-15 do clube tiveram o ônibus cercado por torcedores organizados após derrota.

São Paulo – Em outubro, Carlos Miguel Aidar prometeu o “maior patrocínio do futebol brasileiro”. O clube segue sem patrocínio master.

Palmeiras – Paulo Nobre prometeu que o time “empolgaria” com Ricardo Gareca. O Palmeiras escapou do rebaixamento apenas na última rodada do Brasileiro, e com outro técnico.

2012
Alckmin prometeu a ampliação da Linha 2 Verde – obras não começaram, apesar de verba liberada em 2013

Santos – Luís Álvaro de Oliveira Ribeiro, o Laor, prometeu que o Santos não venderia Neymar até a Copa-2014. O atacante saiu em 2013.

Corinthians – Mario Gobbi prometeu, ainda na primeira fase, que não aumentaria o valor do ingresso durante a Libertadores, com a arquibancada seguindo a R$ 50. Cumpriu a promessa mesmo na final contra o Boca Juniors.

São Paulo – Juvenal Juvêncio prometeu que o ano seguinte (2013) seria de títulos com uso da base. O São Paulo não conquistou títulos – mesmo em torneios com apenas final: Recopa Sul-Americana e Copa Suruga.

Palmeiras – Arnaldo Tirone prometeu um busto para homenagear o goleiro Marcos. A obra só foi realizada por Paulo Nobre, em 2015.

2009
José Serra prometeu o início das operações da Linha 17 Ouro para 2013. Alckmin, posteriormente, atrasou para 2014, 2016 e 2017. Serra também prometeu a Linha 18 Prata para 2014. Apenas uma linha foi inaugurada, já por Alckmin, que atrasou o restante para 2017.

Santos – Laor, eleito presidente no final do ano, prometeu fundo de R$ 40 milhões para seu mandato. O fundo não surgiu nem no primeiro, nem em seu segundo mandato.

Corinthians – Andrés Sanchez prometeu que o ano seguinte, do centenário do clube, teria um Corinthians fortíssimo. O time não passou das oitavas da Libertadores e do 3° posto no Brasileiro. Ao mesmo tempo, falou que 2011 seria “fraco”. O time foi campeão brasileiro naquele ano.

São Paulo – Juvenal Juvêncio prometeu o Morumbi como palco dos jogos em São Paulo na Copa-2014. Nada feito.

Palmeiras – Luiz Gonzaga Belluzzo prometeu processar o árbitro Carlos Eugênio Simon após este anular um gol de Obina contra o Fluminense, pelo Brasileiro. Quatro anos depois, foi Simon quem havia entrado com processo por difamação contra o ex-presidente palmeirense – e vencido.

2008
José Serra prometeu o início das obras da Linha 6 Laranja para 2010. Depois, para 2012. Alckmin entrou e prometeu para 2013 com entrega em 2015. Depois, adiou para 2017, 2019 e, agora, 2020 (mas apenas uma fase). Serra também anunciou a Linha 5 Lilás para 2015. Alckmin adiou para 2016, 2017 e, agora, 2018.

Santos – Marcelo Teixeira prometeu, em janeiro, reforços para a Libertadores. De certa forma a promessa foi cumprida: chegaram Trípodi, Sebastián Pinto, Quiñónez, Molina e Lima.

Corinthians – Em fevereiro, Andrés Sanchez prometeu que reformaria o Parque São Jorge, para que o time mandasse jogos menores no local. Não aconteceu.

São Paulo – Juvenal Juvêncio prometeu um Morumbi modernizado para a Copa-2014, transformando o estádio em arena multiuso. Nada visto até o momento.

Palmeiras – Affonso Della Monica prometeu não se candidatar novamente a presidência na eleição de final de ano. Mas, antes mesmo disso, tentou mudar o estatuto do clube para aumentar seu mandato. Não conseguiu e saiu em janeiro.

2004
Em sua primeira passagem pelo governo, Alckmin prometeu a Linha 4 Amarela pronta em 2010. Naquele ano, mudou para 2014. Agora, já mudou para 2018.

Santos – Marcelo Teixeira prometeu, no final do ano, não vender Robinho até o meio de 2005. E cumpriu – o jogador foi para o Real Madrid no meio daquele ano.

Corinthians – Alberto Dualib prometeu pacotão de reforços para o ano. E cumpriu. O problema foi o nível dos 13 contratados, que fizeram o time só escapar do rebaixamento no Paulista graças à uma vitória do São Paul sobre o Juventus.

São Paulo – O presidente Marcelo Portugal Gouvêia prometeu dificultar a ida de Ricardinho para o Santos, após passagem fraca pelo clube me 2002. Não conseguiu e Ricardinho foi campeão brasileiro pelo rival – inclusive marcando um gol o último minuto sobre o SP em vitória na Vila Belmiro.

Palmeiras – Mustafá Contursi prometeu reforços para um grande time na Libertadores 2005. Mal ele sabia que, em janeiro, seus 12 anos no comando do clube acabariam.



Jornalista esportivo.