Futebol brasileiro é ignorado em votação de melhores da América

Sanchez

A tradicional eleição Rei da América, feita pelo jornal uruguaio El País, elegeu Sampaoli como melhor treinador e Carlos Sánchez como melhor jogador do continente em 2015. O futebol brasileiro não teve nenhum jogador entre os 11 escalados.

LEIA MAIS: 
Mercado da bola: Por Carlos Sánchez, Monterrey-MEX frustra clubes brasileiros

Divulgado no último dia do ano, a lista de vencedores do Rei da América indica o melhor jogador do ano [ o Rei da América, que dá o nome a premiação ], assim como uma seleção ideal daquele ano. Em 2015, nenhum brasileiro fez parte da escalação. Carlos Sánchesz do River Plate foi o melhor jogador e Sampaoli o melhor treinador.

A equipe ideal do continente foi composta por seis jogadores do River Plate, a equipe campeã da Libertadores 2015: Marcelo Barovero, Gabriel Mercado, Jonathan Maidana, Ramiro Funes Mori (agora no Everton da Inglaterra), Matías Kranevitter e Sánchez.

O resto dos “11” se contou com Arevalo Rios (tigres), Luis Manuel Seijas (Independiente Santa Fe), Carlos Tevez (Boca Juniors), Gustavo Bou (Racing) e Miller Bolaños (Emelec). O domínio argentino foi claro, com sete jogadores.

Entre os brasileiros, apenas Elias e Renato Augusto [do Corinthians] apareceram com algum destaque. Elias, o mais bem votado entre todos os brasileiros, apareceu com apenas 40 votos. Para se ter uma idéia de como o futebol brasileiro foi mal, Rodrigo Mora, também do River Plate, foi o mais bem votado após os 11 primeiros e teve 70 votos.

O Rei da América existe desde 1986 e o futebol uruguaio não era premiado como melhor jogador desde 1995, quando Enzo Francescoli ganhou o prêmio. Pelo Brasil, Bebeto, Cafú, Raí e Romário ja venceram o prêmio. Os últimos brasileiros a conquistarem foram Ronaldinho Gaúcho em 2012 e Neymar em 2013.

Foto: Reprodução