Após denúncias, Djokovic revela que ofereceram R$ 800 mil para “entregar” jogo

Getty Images

Número 1 do mundo, o sérvio Novak Djokovic não teve problemas para avançar à segunda rodada do Australian Open, na madrugada desta segunda-feira (horário de Brasília). Após a vitória sobre o coreano Hyeon Chung, o pentacampeão do torneio foi à sala de entrevistas e se deparou com perguntas sobre outro assunto que assombrou o mundo do tênis: um suposto esquema de manipulação de resultados, divulgado pela BBC em parceria com o portal Buzzfeed.

LEIA TAMBÉM:
Opinião: Precisamos de um um esporte limpo, com lisura e dignidade
Canal revela escândalo de apostas no tênis; campeões de Grand Slams estão envolvidos

De acordo com a emissora britânica, o circuito teve resultados forjados por manipuladores nos últimos oito anos. Após ter acesso a documentos confidenciais do Comitê de Ética da ATP, a BBC informou que o esquema envolveria, inclusive, 16 tenistas situados no top 50 do ranking da entidade.

Informado sobre a divulgação do laudo, Djokovic admitiu, ao jornal “The Guardian” que foi procurado anteriormente por manipuladores, que ofereceram US$ 200 mil (cerca de R$ 800 mil) para que entregasse uma partida. “Aconteceu em 2007. Não me abordaram diretamente, mas o tema chegou até mim por pessoas próximas que trabalhavam comigo. Logicamente, nós nem sequer levamos o assunto em consideração”, garantiu o sérvio.

Para Djokovic, os casos que estão sob investigação da ATP são antigos e não há motivo para colocar a integridade do tênis em questão. “Ouvi falar sobre essa história, mas elas tratam sobre atletas que já estão aposentados, e sobre jogos que aconteceram há mais de 10 anos. Não há espaço para qualquer manipulação de resultados ou corrupção no tênis. Não creio que há uma sombra no nosso esporte. As pessoas estão falando de nomes, tentando adivinhar, mas por enquanto é só especulação e devemos manter assim”.

Curtiu a matéria? Siga o autor no Twitter: @fontes_matheus.
Facebook: Matheus Martins Fontes.

Foto: Getty Images



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.